Superinformado Notícias
Facebook
Twitter
Instagram

Criadores de bezerros de MS comemoram os lucros de 2015

O preço do animal andou nas alturas.


domingo, 27/dezembro/2015
Criadores de bezerros de MS comemoram os lucros de 2015

Faça de conta que o Réveillon chegou mais cedo e que a festa já começou. E pode acreditar, o berreiro todo soa como fogos de artifícios para os ouvidos de quem trabalha com bezerros. É que mais uma vez, o ano vai fechar no azul e só há motivos para comemorar.

Considerando que a arroba do boi gordo sempre foi a moeda do pecuarista, alguns animais ilustram a movimentação que anda ocorrendo no setor. Há dois anos, com o preço de 10 bois era possível adquirir um lote com 21 bezerros. Há um ano, esse poder de compra caiu para 19 bezerros e agora, não passa de 17. Ou seja, isso seria equivalente a dizer que quatro bezerros escaparam porteira afora e que o dinheiro escorreu pelas mãos de quem trabalha com engorda.

E não é que o boi gordo tenha se desvalorizado. Até subiu. De acordo com os dados do Cepea, o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada da USP, no acumulado dos últimos dois anos, a arroba teve um aumento de pouco mais de 30%, mas a alta do preço do bezerro foi quase o dobro.

Guilherme Malafaia, da Embrapa Gado de Corte, explica que essa valorização do bezerro tem a ver com o abate excessivo de matrizes que ocorreu de 2011 a 2013, devido a baixa remuneração do setor na época. Com o mercado pouco estimulante, muitos pecuaristas mandaram as fêmeas para o frigorífico. É como imaginar, por exemplo, uma fábrica onde se diminui o número de máquinas que produzem.

Só para se ter uma ideia, no ano de 2012, as fêmeas representaram 47% dos animais encaminhados para o abate em Mato Grosso do Sul. O normal seriam 42% ou 43%.

Está fazendo 25 anos que uma propriedade no município de Figueirão passou a investir pesado na criação de bezerros de qualidade. E o dono, Rubens Catenacci, é categórico em dizer que nunca tinha visto uma valorização tão grande dos seus animais.

Rubens é um dos pecuaristas mais tecnificados do Brasil quando se fala em criação de bezerros. Sabe produzir e sabe vender. Seus animais são comercializados apenas em leilões e, em 2015, ele conseguiu uma média de R$ 2 mil por cabeça.

Os bezerros de Rubens sempre são vendidos acima da média do mercado, devido ao trato e à genética do rebanho. Todos os dias, os bezerros são apartados das mães por três horas para que comam ração desde cedo. “Aí é onde a gente termina bezerro de oito meses com 300 quilos”, conta.

A dieta com ração começa aos 35 dias de vida e vai até a desmama. “Nos primeiros 90 dias, ele come 100 gramas, em média, e até chegar aos oito meses ele vai comer 500 gramas”.

A acentuada valorização do bezerro mexeu com as estruturas de toda cadeia da carne. Pelo menos, essa é a opinião do administrador da fazenda, Rogério Rosalin. “O patinho feio, que era o bezerro, o gado de cria, de baixa rentabilidade, hoje virou a bola da vez, com certeza”.

Na Famasul, a Federação da Agricultura de Mato Grosso do Sul, a diretora Terezinha Cândido diz que o cenário atual equilibrou os ganhos do setor. “Porque antigamente nós tínhamos um cenário onde o produtor que fazia a parte de terminação, ele era muito privilegiado. Ganhava mais. Agora, com isso, não. Essa relação preço de bezerro e boi gordo melhorou bastante para o lado do pessoal que trabalha com a cria. Isso distribuiu melhor a renda entre a cadeia”.

No município de Bandeirantes, o criador Paulo Siemionko compra por volta de 4 mil bezerros por ano. Ele só trabalha com recria e engorda e está vendo sua margem de lucro diminuir, mas para compensar armou uma estratégia.

 

g1


Compartilhar
Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Google Plus

Leia Também
Safra argentina terá redução drástica

A caixa de pizza que você iria jogar fora pode salvar uma árvore

Receita do agronegócio deve crescer mais de 10% em 2018

Preço do tomate fica 100% mais caro em dezembro, diz pesquisa


IBGE prevê safra de grãos 9,2% menor em 2018

IBGE prevê safra de grãos 9,2% menor em 2018


Evento de agronegócio inova com ações interativas e surpreende mais de 4.500 pessoas

Evento de agronegócio inova com ações interativas e surpreende mais de 4.500 pessoas


Radar meteorológico japonês é instalado no Paraná

Radar meteorológico japonês é instalado no Paraná


Fazenda paranaense é eleita a mais sustentável do Brasil

Fazenda paranaense é eleita a mais sustentável do Brasil