Superinformado Notícias
Facebook
Twitter
Instagram

Hidrovia Tietê-Paraná será reaberta nesta quarta-feira, após dois anos

De acordo com o departamento, a hidrovia está parada desde 2014, devido à estiagem que provocou o baixo nível dos reservatórios


terça-feira, 26/janeiro/2016
Hidrovia Tietê-Paraná será reaberta nesta quarta-feira, após dois anos

A hidrovia Tietê-Paraná, no trecho do noroeste paulista, que passa entre o reservatório da Usina Hidrelétrica de Três Irmãos, em Andradina (SP) e a eclusa inferior de Nova Avanhandava, em Buritama (SP), será liberada nesta quarta-feira (27), segundo a Marinha do Brasil. A interdição durou dois anos. A hidrovia tem 2,4 mil quilômetros de extensão e é uma importante rota para o escoamento de grãos dos estados de São Paulo, Mato Grosso Sul, Goiás, Paraná e Minas Gerais.

De acordo com o departamento, a hidrovia está parada desde 2014, devido à estiagem que provocou o baixo nível dos reservatórios

De acordo com o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), a manutenção da hidrovia aberta durante todo o ano ainda depende do regime de chuvas até abril. Em nota, o Dnit informou que, “caso se mantenham os volumes atuais de chuva, os reservatórios devem se recuperar”. Segundo o órgão, o Operador Nacional do Sistema (ONS) ainda está fazendo estudos e projeções.

Segundo o presidente da Federação Nacional das Empresas de Navegação Aquaviária (Fenavega), Raimundo Holanda Cavalcante, a Agência Nacional de Águas (ANA) foi a responsável pela paralisação da hidrovia, ao priorizar o uso da água do reservatório Três Irmãos para a geração de energia elétrica. A decisão, na avaliação dele, levou à redução do calado (profundidade necessária para a navegação segura) do reservatório e à posterior suspensão das atividades na hidrovia. “Até então, se analisarmos o histórico da hidrovia nos últimos 30 anos, nunca houve problema algum”, declarou Cavalcante.

A Fenavega terá uma reunião nesta terça-feira (26) com representantes da ANA para discutir sobre os novos projetos de geração de energia no País. “Vamos pedir que, ao conceder outorga a novos consórcios, a ANA garanta um nível de água que não comprometa as atividades da hidrovia e que se cumpra a lei de uso múltiplo das águas”, declarou o presidente da Fenavega.

Gazeta do Povo


Compartilhar
Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Google Plus

Leia Também
Operação Deriva 2 apreende aeronaves agrícolas em Londrina

Rússia anuncia restrições temporárias à carne suína e bovina do Brasil

V Feira Regional da Agroindústria Familiar movimenta mais de R$ 180 mil em Guarapuava

IBGE estima queda de 8,9% na safra de grãos em 2018


Projeto do USF ensina a fazer geleias de morango e fisális

Projeto do USF ensina a fazer geleias de morango e fisális


Rússia aumenta restrições à carne importada do Brasil

Rússia aumenta restrições à carne importada do Brasil


Em Guarapuava, comissão elege desenho para logomarca da APA Serra da Esperança

Em Guarapuava, comissão elege desenho para logomarca da APA Serra da Esperança


Testes de ONG mostram que 36% dos alimentos têm agrotóxicos acima do limite ou proibidos

Testes de ONG mostram que 36% dos alimentos têm agrotóxicos acima do limite ou proibidos