Superinformado Notícias
Facebook
Twitter
Instagram

Plantio da safra de verão começa com expectativa de colher 23,1 milhões de toneladas no Paraná

Volume é 8% menor do que o obtido na safra 16/17, que alcançou 25,3 milhões toneladas. Maior queda é na área de milho, segundo o governo.


domingo, 03/setembro/2017
Plantio da safra de verão começa com expectativa de colher 23,1 milhões de toneladas no Paraná

Os agricultores paranaenses começaram a plantar os grãos da safra de verão de 2017/2018, a principal do estado. A expectativa, segundo o Departamento de Economia Rural (Deral), é de colher 23,1 milhões de toneladas.

O volume é 8% menor do que o obtido na safra 16/17, que alcançou 25,3 milhões toneladas. A queda deve ser principalmente na área de milho. A área de feijão deve se manter, enquanto a de soja deve aumentar.

A estimativa de produção inicial é feita com base na média histórica de produtividade. Na safra 2016/2017, as principais culturas plantadas no estado tiveram níveis de produtividade considerados excelentes, porque contaram com clima favorável, além da boa tecnologia utilizada pelos produtores paranaenses, o que permitiu um resultado acima das expectativas.

Soja

A área plantada de soja, a principal cultura do estado, deve passar de 5,2 milhões de hectares para 5,4 milhões de hectares, de acordo com o Deral — o que correspondea 91% de toda a área plantada com grãos de verão no Paraná.

A produção esperada, no entanto, deve cair 2%, com 19,5 milhões de toneladas colhidas. Segundo o economista do Deral Marcelo Garrido, a queda ocorre porque as condições de clima na safra anterior foram excepcionais e jogou a produtividade para patamar elevado.

Para ele, na safra que começa, a opção do produtor é plantar mais soja porque o grão ainda oferece bons preços em comparação às outras culturas.

Desde agosto do ano passado, o preço da soja caiu de R$ 68,17 a saca para R$ 56,92, devido à grande oferta mundial e também por causa do real mais valorizado frente ao dólar. Mesmo assim, o preço do produto é mais atrativo que outras culturas de verão como o milho e o feijão, ressaltou o técnico.

Milho

O plantio de milho deverá ter forte retração, devendo ser plantada a menor safra da história nesse período do ano, segundo o governo. A perda vai migrar para o plantio de soja, disse o técnico do Deral Edmar Gervásio. Segundo ele, a área plantada deve recuar 33% em relação à safra anterior, caindo de 513.627 hectares para 344.520 hectares.

Com isso, a produção será reduzida em 37% – passando de 4,9 milhões para 3 milhões de toneladas – uma redução de mais de 1,9 milhão de toneladas.

O técnico do Deral diz que os produtores desanimaram em plantar o milho durante o verão, porque os preços do grão despencaram no mercado, em função do excesso de oferta no Brasil inteiro. Os preços caíram de R$ 35 a saca, em agosto do ano passado para R$ 18 a saca, uma queda de 49%.

Os produtores optaram por plantar o milho na segunda safra, como já vem acontecendo em anos anteriores.

“Está plantando milho agora quem produz com tecnologia e obtém uma boa rentabilidade para compensar as quedas nas cotações” avaliou. Não haverá impacto para as principais cadeias produtivas consumidoras de milho (aves, suínos e leite) porque o mercado está abastecido. Além disso, essa queda de 30% na produção da primeira safra representa 10% que redução, quando computados os volumes das duas safras plantadas no Paraná”, detalhou.

Feijão

Os produtores de feijão devem manter a área plantada no ano passado mesmo com preços mais baixos no mercado. De acordo com o técnico do Deral Marcelo Garrido, muitos produtores estão apostando no plantio precoce do feijão das águas, para dar tempo de plantar a soja mais tarde.

A produção estimada pelo Deral na primeira safra de feijão é de 377.502 toneladas do grão, um aumento de 3% sobre a safra passada, cujo volume alcançou 368.189 toneladas. Os preços despencaram em 75% para o feijão de cor (de R$ 376 para R$ 92,36 entre agosto do ano passado e agosto deste ano).

O preço do feijão preto caiu de R$ 210,21 a saca para R$ 112,35 a saca no mesmo período. Segundo Garrido, houve aumento de produção em todo o País e o mercado, como no caso do milho, está abastecido.

g1


Compartilhar
Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Google Plus

Leia Também
V Feira Regional da Agroindústria Familiar movimenta mais de R$ 180 mil em Guarapuava

IBGE estima queda de 8,9% na safra de grãos em 2018

Projeto do USF ensina a fazer geleias de morango e fisális

Rússia aumenta restrições à carne importada do Brasil


Em Guarapuava, comissão elege desenho para logomarca da APA Serra da Esperança

Em Guarapuava, comissão elege desenho para logomarca da APA Serra da Esperança


Testes de ONG mostram que 36% dos alimentos têm agrotóxicos acima do limite ou proibidos

Testes de ONG mostram que 36% dos alimentos têm agrotóxicos acima do limite ou proibidos


Governo do Paraná regulamenta manejo da bracatinga

Governo do Paraná regulamenta manejo da bracatinga


Saúde interdita comércio de moluscos de Santa Catarina

Saúde interdita comércio de moluscos de Santa Catarina