Superinformado Notícias
Facebook
Twitter
Instagram

USP testa uso de bactéria que pode ampliar produção de soja e milho com menos fertilizantes

Estudo realizado em Piracicaba mostra que aplicação de micro-organismo também é benéfica no plantio de cana de açúcar e tomate.


sexta-feira, 09/junho/2017
USP testa uso de bactéria que pode ampliar produção de soja e milho com menos fertilizantes

Um estudo desenvolvido pela Universidade de São Paulo (USP) em Piracicaba (SP) mostra que a aplicação de uma bactéria no plantio de milho e soja pode aumentar a produção desses grãos e reduzir o uso de fertilizante para produzi-los.

“Nós conseguimos melhorar a biomassa tanto do milho quanto da soja e observamos que a bactéria tem um potencial de incremento de produtividade nesses grãos ”, diz a doutora em Genética de Micro-Organismos, Bruna Durante Batista, que realizou a pesquisa sob orientação dos professores João Lucio de Azevedo e Maria Carolina Quecine Verdi.

No primeiro teste feito fora do ambiente de laboratório, a aplicação da bactéria, isolada de um guaranazeiro, planta originária da Amazônia, resultou, de acordo com Bruna, em um aumento de 16 sacas de milho por hectare, o que representa um incremento de 8% na produção. Em relação a soja houve um aumento de 11 sacas por hectare, representando uma elevação de 11%.

Ainda de acordo com a pesquisadora, esses resultados obtidos pelo experimento foram conquistados com a redução de 30% na quantidade de fertilizante utilizado no plantio.

Apesar dos resultados positivos alcançados, Bruna diz que é necessário ter cautela ao se analisar esses primeiros testes, pois há outros fatores que interferem na produtividade desses grãos.

“Nós temos outros variáveis que influenciam no resultado [da produtividade] como clima , solo e o tipo de grão utilizado. Por isso agora a gente terá que testar [o uso da bacteria] em diferentes condições ”, explica.

Mas não é só apenas nos grãos que a bactéria pode causar aumento na produtividade. Segundo a pesquisadora, outras culturas também apresentaram bons resultados. “Nós temos evidencias que essa bactéria também trabalha bem em cana de açúcar e tomate”, conta.

A doutora explica que a aplicação desse tipo de micro-organismo pode reduzir custos de produção e estimular a realização de uma agricultura mais sustentável.

“O fertilizante nitrogenada é o mais caros hoje em dia no Brasil, porque o país é importador desse fertilizante. Hoje em dia, 70 % desse do adubo nitrogenado usado na agricultura brasileira é importado. Mas além do impacto econômico, o uso dele causa impactos ambientais graves”, ressalta.

Atualmente, o Brasil é um dos maiores produtores de milho e soja do mundo, sendo que a previsão para a safra deste ano é que sejam colhidas 30 milhões de toneladas de milho e 113 milhões de toneladas de soja, de acordo com informações Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

g1


Compartilhar
Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Google Plus

Leia Também
Ciclo de palestras debate o papel do médico veterinário na atualidade

Representantes do Sindicato Rural participam de reunião da Comissão Técnica de Suinocultura da Faep

Produtor de Guarapuava (Pr) bate recorde nacional de produção de soja

Augustin realiza dia 10 mais um Massey Show


Produção de morangos semi-hidropônicos oferece oportunidade para agricultor incrementar renda

Produção de morangos semi-hidropônicos oferece oportunidade para agricultor incrementar renda


Erva-mate: Comissão realiza nesta quinta, dia 8, reunião sobre poda

Erva-mate: Comissão realiza nesta quinta, dia 8, reunião sobre poda


Representantes do Senar e Sindicato Rural prestigiam lançamento do Comitê Territorial de Guarapuava

Representantes do Senar e Sindicato Rural prestigiam lançamento do Comitê Territorial de Guarapuava


Cooperativa investe mais de R$ 70 milhões em novo hipermercado no PR

Cooperativa investe mais de R$ 70 milhões em novo hipermercado no PR



CFW Agência de Internet