Superinformado Notícias
Facebook
Twitter
Instagram

Clube Blue Note abre filial no Rio com promessa de seguir padrões da sede em NY

Outras três deverão ser inauguradas no Brasil até 2019.


segunda-feira, 28/agosto/2017
Clube Blue Note abre filial no Rio com promessa de seguir padrões da sede em NY

Foram seis meses de uma longa e difícil negociação. Em alguns momentos, o empresário Luiz Calainho até duvidou de que o acordo iria mesmo acontecer. No entanto, depois muita insistência, o contrato foi fechado e o objetivo, alcançado: o Rio de Janeiro receberá uma filial do clube Blue Note – a primeira a funcionar em um país do hemisfério sul.

Um dos mais disputados e tradicionais espaços dedicados à apresentação de músicos de jazz e blues no mundo – onde se já apresentaram nomes como Dizzy Gillespie, Oscar Peterson, Ella Fitzagerald, John McLaughlin, Stevie Wonder, Liza Minelli e Tony Bennett – o Blue Note de Nova York terá um braço carioca estabelecido no complexo Lagoon, às margens da Lagoa Rodrigo de Freitas, espaço que, entre 2012 e 2016, abrigou a casa de shows Miranda.

“Fui executivo da Sony Music por 10 anos. Durante aquele período, ao longo da década de 1990, frequentava muito o Blue Note de Nova York. Desde aquela época, desejava trazer o clube para o Brasil. Depois que montei minha empresa, essa ideia se tornou uma obsessão. Foi uma negociação complicada, os proprietários são muito exigentes para permitir o uso do nome. Mas no fim eles entenderam que iríamos fazer um trabalho sério”, disse Calainho, que investiu R$ 4,1 milhões na reforma do espaço.

A nova casa – que vai abrir para convidados na quarta-feira (30) e para o público geral na quinta (31) – seguirá à risca as exigências técnicas e de funcionamento da matriz em Nova York, determinadas pela família Bensusan, fundadora e proprietária do Blue Note: acústica perfeita, ambiente intimista, público reduzido e preocupação com a qualidade da gastronomia servida no local. No Rio, a carta será assinada pelo chef Pedro de Artagão.

O Blue Note Rio, com capacidade para um público de 400 pessoas, terá três bandas residentes – um duo, um trio e um quarteto. De quarta a sábado, promoverá apresentações de grandes nomes do jazz, do blues e da MPB. O local abrirá sempre às 18h30 com um happy hour seguido por duas apresentações musicais. O local também vai oferecer almoços e cafés da manhã.

A filial carioca será a primeira de uma série de outras Blue Notes que serão abertas em cidades do Brasil. Segundo o planejamento de Calainho, a meta é inaugurar uma unidade em São Paulo em junho de 2018, outra em Porto Alegre, em novembro de 2018, e ainda mais uma no Recife, em janeiro de 2019.

Um investimento incomum em tempos de recessão – sobretudo no Rio de Janeiro, que possui um histórico de falências de casas com perfil semelhante. Apesar de terem feito sucesso por tempo variado, locais como o Jazz Mania, o Mistura Fina e a própria Miranda acabaram sucumbindo à aridez econômica.

“Isso não vai acontecer com o Blue Note Rio. Essas casas que você citou dependiam excessivamente da bilheteria para sobreviver. No nosso plano de negócios, a venda de entradas representará apenas 30% das receitas – 40% virão de patrocinadores e os outros 30%, da gastronomia. Ou seja, estamos muito mais equilibrados”, explicou Calainho.

A casa já tem programação garantida até o fim deste ano – estão previstos shows de Chick Corea & Steve Gadd Band, Maceo Parker, Chris Botti, Hermeto Pascoal, Spyro Gyra, Teresa Salgueiro, vocalista do grupo Madredeus, Anne Paceo, Baby do Brasil, Didier Lockwood e Sergio Mendes.

“É bom demais saber que haverá um Blue Note no Rio de Janeiro. Acho que a cidade, diante de tantos problemas que enfrenta, merecia uma notícia boa como essa. O Rio ainda é a capital cultural do Brasil. Mal posso esperar para tocar lá”, disse o pianista, compositor e arranjador Sérgio Mendes, radicado nos Estados Unidos desde a década de 1970, e veterano de apresentações na matriz em Nova York.

Histórico

O Blue Note foi fundado em 1981 em Nova York por Danny Bensusan. A ideia era criar um um clube de Jazz de primeira qualidade, transformando-se, ao longo do tempo, em patrimônio cultural da cidade. O objetivo era garantir uma atmosfera intimista e aconchegante para o público e para os músicos.

Alguns dos maiores nomes do blues e do jazz já passaram pela casa – muitas vezes saíram da plateia para sessões de improviso históricas. Nos clubes de jazz é comum que, após o número principal, os músicos presentes sejam convidados para subir ao palco e tocar junto com a banda sem ensaio prévio, o que garante uma experiência única em cada show.

O Blue Note tem filiais na Califórnia, Havaí, Milão, Pequim, Tóquio e Nagoya.

g1


Compartilhar
Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Google Plus

Leia Também
Um ambiente por semana

OAB Paraná abre as portas para as artes plásticas

Estúdio de Dança de Guarapuava faz sucesso em Festival do Mercosul

O VENTRE O VASO O CLAUSTRO – Canções de ex-menino para amor sem nome


Ícaro Residencial de Luxo assinado por Arthur Casas recebe prêmio

Ícaro Residencial de Luxo assinado por Arthur Casas recebe prêmio


Anitta assina contrato com a Shots Studios e prepara disco em inglês

Anitta assina contrato com a Shots Studios e prepara disco em inglês


Livro infantil resgata a alegria das colônias de férias

Livro infantil resgata a alegria das colônias de férias


‘Os Trapalhões’: foto mostra novo elenco com Bruno Gissoni, Mumuzinho, Gui Santana e Lucas Veloso

‘Os Trapalhões’: foto mostra novo elenco com Bruno Gissoni, Mumuzinho, Gui Santana e Lucas Veloso