Superinformado Notícias
Facebook
Twitter
Instagram

Micose que provoca morte de gatos atinge humanos; Rio já teve 5 mil casos

Micose que provoca morte de gatos cresce 400% em um ano.


segunda-feira, 13/março/2017
Micose que provoca morte de gatos atinge humanos; Rio já teve 5 mil casos

O número de gatos atingidos pela esporotricose cresceu 400% no Rio em 2016, de acordo com a Vigilância Sanitária. Além dos felinos, humanos e cães também podem desenvolver a doença, causada por fungos da varieda Sporothrix, sendo o Sporothrix brasiliensis o mais comum no Brasil. Ao todo, a cidade teve 13.536 casos notificados em gatos e 580 em humanos somente no ano passado.

Raramente grave em humanos, a esporotricose pode gerar lesões severas nos gatos, especialmente na cabeça, atacando progressimente a pele, os músculos, os ossos e até órgãos internos do animal, resultando em mortes. Ela se alastra principalmente por meio da arranhadura de animais infectados, o que é acentuado pelo tratamento ser caro e prolongado (de ao menos seis meses). Por isso, a maior parte dos casos se concentra em bairros de periferia e comunidades carentes.

Histórico. Até ser identificado o aumento no Rio, o número de casos desse tipo de micose eram considerados esporádicos no País. O motivo para a infestação ainda não foi identificado, embora o fungo seja normalmente encontrado no solo. De 2013 a 2015, somente o Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas da Fundação Oswaldo Cruz (INI/Fiocruz), na capital fluminense, atendeu 5 mil casos em pessoas e 4.703 em gatos, sendo 3.253 em 2015.

Do Rio de Janeiro, a doença teria se espalhado por outras cidades e Estados. Na Região Metropolitana de São Paulo, 1.093 casos foram identicados nos últimos anos pela Unifest e o Centro de Controle de Zoonoses (CCZ). “A doença tradicionalmente acometia uma a duas pessoas ao ano. Mas em 1998 o total de casos no Rio de Janeiro começou a crescer”, disse o professor Zoilo Pires de Camargo, chefe do Laboratório de Micologia Médica e Molecular da Unifesp.

De acordo com o pesquisador, a epidemia carioca é única por envolver a transmissão a humanos em número expressivo. “Nos anais da medicina, o maior surto de esporotricose teria ocorrido nos anos 1940 entre mineiros na África do Sul. A origem da infecção nos 3 mil casos relatados estava no madeiramento de sustentação das galerias das minas, onde havia colônias de Sporothrix. Uma vez identificados os focos, a madeira foi tratada e a epidemia acabou”, disse Camargo.


Compartilhar
Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Google Plus

Leia Também
Lei de Ratinho Junior proíbe mutilações de animais no Paraná

Após seis meses de tentativas, voluntários conseguem resgatar foca com anel de plástico no pescoço

A estranha criatura de dentes afiados encontrada em praia do Texas após passagem de furacão

Faculdade Campo Real promove CãoPanha Fome Zero


Homem tenta subir em lobo-marinho em praia e deixa biólogos preocupados

Homem tenta subir em lobo-marinho em praia e deixa biólogos preocupados


Nem todas as rações alimentam bem o seu cachorro, diz pesquisa

Nem todas as rações alimentam bem o seu cachorro, diz pesquisa


Como formigas criam ‘balsas’ para sobreviver às inundações causadas pela tempestade Harvey

Como formigas criam ‘balsas’ para sobreviver às inundações causadas pela tempestade Harvey


Atriz Paolla Oliveira fala em adotar cão da PM do RJ que participa de ‘A Força do Querer’

Atriz Paolla Oliveira fala em adotar cão da PM do RJ que participa de ‘A Força do Querer’



CFW Agência de Internet