Superinformado Notícias
Facebook
Twitter
Instagram

A beleza é sinal de fertilidade e é um diferencial desde os tempos dos homens da caverna. Quem não a possui costuma condenar as mulheres que se aproveitam dela.


domingo, 26/janeiro/2014
A beleza é sinal de fertilidade e é um diferencial desde os tempos dos homens da caverna. Quem não a possui costuma condenar as mulheres que se aproveitam dela.

As feias odeiam as bonitas. Não, não estou sendo cínico. Beleza atrai inveja e, nas mulheres, beleza é sempre fundamental. Sendo assim, pode uma mulher usar sua beleza como forma de sobrevivência ou ela deve buscar ser feia porque a maioria é?

A mulher sempre usou sua beleza, provavelmente desde os tempos em que morávamos em cavernas. E por razões óbvias: a maioria esmagadora dos homens baba pela beleza feminina. Um dos erros crassos do feminismo é confundir problema de cadeia (espancamento de mulheres) com vida cotidiana. A dificuldade do feminismo está em não delirar: uma coisa é impedir que uma mulher dirija um carro, como em alguns países muçulmanos, outra coisa é dizer que, se ela usa sua beleza para conseguir uma coisa, está sendo vítima de abuso de poder. A afirmação chega a ser risível.

A maior inimiga da beleza da mulher é a outra mulher, a feia. A condenação do uso da beleza feminina por parte das mulheres é uma ferramenta das que não têm, por azar (a beleza ainda é um recurso contingente), acesso à beleza. Claro que há sofrimento aqui, mas de nada adianta “resolver” o sofrimento negando um fato óbvio: as feias têm raiva das bonitas. No caso dessa oposição beleza x fealdade nas mulheres (em todos nós, mas nas mulheres mais, pelas razões que descrevi acima), vidas são dilaceradas pela inveja da beleza numa mulher. As feias, que são maioria e a regra, só aceitam uma mulher bonita quando esta já não é mais tão bonita. Beleza não é só “beleza”. É abundância, fertilidade, fecundidade, enfim, é signo de vida. Sentir-se excluída disso por um simples azar (por isso se gasta tanto dinheiro para corrigir esse azar, com plásticas e outras intervenções) dói como uma espécie de condenação que perpetua a solidão e a esterilidade.

A beleza numa mulher me faz querer entendê-la melhor, ouvi-la, ser mais generoso com ela, mais justo, enfim, ser um homem melhor. Não se trata apenas de um “desejo meramente animal”. O alcance espiritual da beleza é fato estudado pelas religiões: o mal inveja a beleza do bem. Mas, para além da dimensão espiritual, não há nada melhor no mundo do que uma mulher linda a fim de você.

 

Por isso, é melhor levarmos a beleza mais a sério. Toda tentativa de proibir a exibição da beleza feminina é um ato nascido da inveja. Se você for bonita, observe se no trabalho não tem alguma feia que a detesta. O ódio das feias pelas bonitas nada mais é do que a agonia que a abundância gera na precariedade. Como somos seres precários – somos mortais, insignificantes cosmicamente e frágeis biologicamente -, a falta de beleza é a regra (quase) universal.

 

Luiz Felipe Pondè é doutor em filosofia pela USP e pós-doutor pela Universidade de Tel Aviv.

Texto adaptado de seu livro Guia Politicamente Incorreto da Filosofia

Superinteressante


Compartilhar
Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Google Plus

Leia Também
Lula irá a Porto Alegre nesta terça-feira, diz Gleisi Hoffmann

Sisu 2018 vai abrir inscrições à 0h desta terça, diz MEC

Decreto autoriza Nubank a virar banco

PF diz que uso de algemas nos pés e nas mãos de Cabral foi para garantir a segurança do próprio preso, dos policiais e de terceiros


Operadoras bloquearam 1,6 milhão de celulares em 2017, número recorde

Operadoras bloquearam 1,6 milhão de celulares em 2017, número recorde


Olivia Lua, atriz pornô de 23 anos, morre em clínica de reabilitação nos EUA

Olivia Lua, atriz pornô de 23 anos, morre em clínica de reabilitação nos EUA


5 bilionários brasileiros concentram mesma riqueza que metade mais pobre no país, diz estudo

5 bilionários brasileiros concentram mesma riqueza que metade mais pobre no país, diz estudo


Concursos: pelo menos 16 órgãos abrem inscrições nesta segunda para preencher 2,4 mil vagas

Concursos: pelo menos 16 órgãos abrem inscrições nesta segunda para preencher 2,4 mil vagas