Superinformado Notícias
Facebook
Twitter
Instagram

Após ter pedido de troca de ministro atendido, PR decide apoiar Dilma


segunda-feira, 30/junho/2014
Após ter pedido de troca de ministro atendido, PR decide apoiar Dilma

 A executiva nacional do Partido da República (PR) decidiu nesta segunda-feira (30), por 23 votos a 1, apoiar a candidatura à reeleição da presidente Dilma Rousseff (PT). A decisão foi tomada após a petista ceder à pressão do partido aliado e substituir o ex-governador da Bahia César Borges por Paulo Sérgio Passos no comando do Ministério dos Transportes.

Em convenção nacional no último dia 21, o partido delegou à Executiva a decisão sobre qual candidato receberia o apoio do PR. Apesar de estar à frente do Ministério dos Transportes ao longo dos três anos do governo Dilma, a legenda governista ameaçou apoiar o candidato do PSDB à Presidência, Aécio Neves, caso Dilma não atendesse ao pedido para substituir César Borges.

Para evitar que o partido se aliasse ao seu adversário nas eleições de outubro, a presidente da República cedeu e efetivou Paulo Passos na chefia do ministério, como reivindicava o PR. Passos já havia comandado a pasta em outras duas oportunidades. Já Borges foi deslocado para a Secretaria de Portos.

O presidente nacional do PR, senador Alfredo Nascimento (AM), disse nesta segunda-feira, ao final da reunião da executiva nacional, que a troca nos Transportes mostrou “boa vontade” do governo e, portanto, contribuiu para o consenso em torno da candidatura de Dilma.

“[A troca no ministério] ajudou. O que estabeleceu essa diferença na relação entre a base do partido do PR no Congresso e o governo era a relação com o ministro dos Transportes. O gesto do governo, colocando um outro ministro que também não é indicação nossa, foi escolha da presidenta, fez com que o partido entendesse a boa vontade do governo e fizesse a opção por apoiá-lo”.

O dirigente do PR afirmou que o pedido para substituir Borges se deu porque o ex-ministro dos Transportes mantinha uma “relação difícil” com os deputados federais da legenda.

“Essa relação é o jeito, o tratamento, o cuidado do ministro com o estado de cada um dos deputados”, explicou Nascimento, que ocupou a cadeira de ministro dos Transportes nos governos Lula e Dilma, mas deixou o cargo, em julho de 2011, devido a denúncias de irregularidades na pasta.

A aliança com o PR vai garantir a Dilma um minuto e oito segundos a mais na propaganda eleitoral gratuita de rádio e televisão. “É muito significativo”, destacou Alfredo Nascimento.

O único voto contrário à coligação com o PT partiu do líder do PR na Câmara, deputado Bernardo Santana (MG). Ele apresentou proposta de apoio ao tucano Aécio Neves, mas não obteve sucesso.

“Eu não tratei com o PSDB. Se houve essa procura, deve ter sido através do líder do partido”, declarou Nascimento.

Depois de confirmarem a aliança com o PT na corrida presidencial, os dirigentes do PR se dirigiram ao Palácio do Planalto para comunicar a decisão à chefe do Executivo federal.

g1


Compartilhar
Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Google Plus

Leia Também
Lula irá a Porto Alegre nesta terça-feira, diz Gleisi Hoffmann

Sisu 2018 vai abrir inscrições à 0h desta terça, diz MEC

Decreto autoriza Nubank a virar banco

PF diz que uso de algemas nos pés e nas mãos de Cabral foi para garantir a segurança do próprio preso, dos policiais e de terceiros


Operadoras bloquearam 1,6 milhão de celulares em 2017, número recorde

Operadoras bloquearam 1,6 milhão de celulares em 2017, número recorde


Olivia Lua, atriz pornô de 23 anos, morre em clínica de reabilitação nos EUA

Olivia Lua, atriz pornô de 23 anos, morre em clínica de reabilitação nos EUA


5 bilionários brasileiros concentram mesma riqueza que metade mais pobre no país, diz estudo

5 bilionários brasileiros concentram mesma riqueza que metade mais pobre no país, diz estudo


Concursos: pelo menos 16 órgãos abrem inscrições nesta segunda para preencher 2,4 mil vagas

Concursos: pelo menos 16 órgãos abrem inscrições nesta segunda para preencher 2,4 mil vagas