Superinformado Notícias
Facebook
Twitter
Instagram

Cunha, Dilma e Temer recuam no ataque e agora se colocam como vítimas


quarta-feira, 09/dezembro/2015
Cunha, Dilma e Temer recuam no ataque e agora se colocam como vítimas

“As palavras voam, os escritos permanecem”, registrou, em latim, o vice-presidente Michel Temer (PMDB) na abertura da polêmica carta endereçada à presidente Dilma Rousseff (PT) na segunda-feira (7). De fato, desde a deflagração do processo de impeachment contra Dilma, há uma semana, não faltaram tanto discursos inflamados quanto textos que ficarão para a posteridade – para serem analisados pelos cientistas políticos do futuro. As falas de Dilma, Temer e do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB), revelam as estratégias de cada um em meio à crise na política brasileira.

Acuados, num primeiro momento, eles partiram para o ataque. Foi o que Cunha e Dilma fizeram no dia da deflagração do processo de impeachment. Naquele momento, Cunha e Dilma deixaram de lado o tradicional “falta com a verdade” usado por políticos e optaram pelo verbo mentir. Também acusaram-se mutuamente e falaram em barganha – outra expressão amplamente evitada pelos políticos.

O próximo passo foi a negação – ambos rechaçaram a acusação de que haviam “barganhado” cargos e favores em troca de interesses próprios.

Nunca coagi ou tentei coagir instituições ou pessoas na busca de satisfazer meus interesses. Meu passado e meu presente atestam a minha idoneidade.

Dilma Rousseff presidente
Os discursos seguintes diminuíram o tom beligerante. Foi aí que começou a ser construído o conceito de vitimização. A presidência da República alega que um golpe – e não um processo legítimo – está em curso. Cunha, por sua vez, também se diz perseguido.

Foi nesse momento que Temer entrou com força na estratégia que dá corpo à crise política. Alguns pontos da carta de Temer endereçada a Dilma evidenciam a mágoa.

Trechos da carta denotam que Temer se sente injustiçado. “Sempre tive ciência da absoluta desconfiança da senhora e do seu entorno em relação a mim e ao PMDB. Desconfiança incompatível com o que fizemos para manter o apoio pessoal e partidário ao seu governo.”

O vice também deixou claro que se sente um figurante. “Passei os quatro primeiros anos de governo como vice decorativo.” De certa forma, Temer justifica com palavras a decisão de romper com o governo. “Sou presidente do PMDB e a senhora resolveu ignorar-me.”

Ainda não se sabe qual será o tom da próxima fala de Dilma. Depois da carta – e da derrota do governo na terça-feira (8) na comissão que analisará o pedido de impeachment–, a presidente não se pronunciou.

O tom sempre formal de Michel Temer (PMDB), advogado pós-graduado em Direito Constitucional, não combina muito com o texto um tanto coloquial e ao mesmo tempo pouco preciso que o vice fez chegar às mãos da presidente Dilma Rousseff (PT). Além disso, escorrega na norma culta da Língua Portuguesa.

 

Gazeta do Povo


Compartilhar
Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Google Plus

Leia Também
Lula irá a Porto Alegre nesta terça-feira, diz Gleisi Hoffmann

Sisu 2018 vai abrir inscrições à 0h desta terça, diz MEC

Decreto autoriza Nubank a virar banco

PF diz que uso de algemas nos pés e nas mãos de Cabral foi para garantir a segurança do próprio preso, dos policiais e de terceiros


Operadoras bloquearam 1,6 milhão de celulares em 2017, número recorde

Operadoras bloquearam 1,6 milhão de celulares em 2017, número recorde


Olivia Lua, atriz pornô de 23 anos, morre em clínica de reabilitação nos EUA

Olivia Lua, atriz pornô de 23 anos, morre em clínica de reabilitação nos EUA


5 bilionários brasileiros concentram mesma riqueza que metade mais pobre no país, diz estudo

5 bilionários brasileiros concentram mesma riqueza que metade mais pobre no país, diz estudo


Concursos: pelo menos 16 órgãos abrem inscrições nesta segunda para preencher 2,4 mil vagas

Concursos: pelo menos 16 órgãos abrem inscrições nesta segunda para preencher 2,4 mil vagas