Superinformado Notícias
Facebook
Twitter
Instagram

Cunha disse que não vai renunciar

Todo dia tem a roubalheira do PT sendo fotografada e de repente fazem uma operação do PMDB


terça-feira, 15/dezembro/2015
Cunha disse que não vai renunciar

O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), afirmou nesta terça-feira (15), que a Operação Lava Jato poupa políticos do PT e mira no PMDB. O deputado concedeu entrevista coletiva horas após a Polícia Federal cumprir mandados de busca e apreensão em sua residência oficial em Brasília, em sua casa e em seu escritório no Rio de Janeiro. A ação, batizada de Catilinárias, faz parte das investigações da Operação Lava Jato.

Ao menos 12 policiais e três viaturas foram deslocados para a casa de Cunha em Brasília, que fica na Península dos Ministros. Segundo a PF, a busca na casa do presidente da Câmara durou mais de cinco horas. Os agentes chegaram ao local por volta das 6h e foram recebidos pelo próprio deputado.

Todo dia tem a roubalheira do PT sendo fotografada e de repente fazem uma operação do PMDB. Tem alguma coisa estranha no ar”, afirmou Cunha, que se disse “tranquilo” e “absolutamente inocente”.

Assim como nas outras ocasiões em que esteve no foco das investigações da Operação Lava Jato, o presidente da Câmara voltou a afirmar que não irá renunciar ao cargo.

Eduardo Cunha centrou a entrevista coletiva em questionamentos sobre a legitimidade das ações da Procuradoria-Geral da República. O peemedebista voltou a argumentar que foi “escolhido para ser investigado” e acusou o PT de ser o autor de “assalto” à Petrobras.

Ele também lembrou que o pecuarista Carlos Bumlai, amigo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, confessou em depoimento dado à Polícia Federal, nesta segunda (14), que houve fraude na quitação de um empréstimo de R$ 12 milhões feito por ele no Banco Schahin e que esse dinheiro seria destinado a “caixa 2” do PT.

“A gente sabe que o PT é responsável por esse assalto que aconteceu no Brasil. Esse assalto na Petrobras. Hoje o dia é a notícia que o Bumlai entregou R$ 12 milhões do caixa dois para o PT e ficou pequeno no jornal. Todo dia tem denúncia do PT. Como o povo é inteligente e sabe que o dia de hoje é o dia do Conselho de Ética e a véspera da decisão sobre o impeachment, sabe que tem alguma coisa estranha no ar”, disse.

“Não me parece que ninguém do PT que tem o foro que eu tenho é sujeito a qualquer tipo de operação. Só são sujeitos de operação aqueles que não são do PT”, completou o presidente da Câmara.

‘Estranheza’
Cunha também disse que causou “estranheza” a realização da operação no mesmo dia em que foi realizada reunião do Conselho de Ética para analisar seu processo e na véspera da decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre o rito do processo de impeachment. Mesmo assim, o peemedebista disse que considera “nada de mais” a ação da PF.

“Houve 53 mandados de busca e apreensão. Entre eles, em três endereços meus. Minha residência oficial em Brasília, minha residência no Rio de Janeiro e no meu escritótio. Até aí, nenhum problema. Nada de mais, faz parte do processo investigativo”, disse.

“O que estranho é a gente estar no momento no dia que vai ter o Conselho de Ética e na véspera da decisão do processo de impeachment e de repente deflagram uma operação. A denúncia foi feita quatro meses atrás”, complementou o deputado.

O presidente da Câmara também acusou o governo de buscar “revanchismo” e de querer desviar a “atenção da mídia” do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff.

“Governo quer desviar a mídia do processo de impeachment e colocar em mim e ao pmdb a concentração dos atos [investigados pela Operação Lava Jato]. […] Nada mais natural do que ele querer buscar revanchismo”, acusou Cunha, que é declaradamente adversário político do governo Dilma.

Ao final da entrevista coletiva de Cunha, houve um pequeno tumulto no Salão Verde. A secretária parlamentar do PSOL Evelyn Silva disse ter sido agredida por um segurança da Polícia Legislativa que arrancou das mãos dela uma camiseta com os dizeres “Fora, Cunha”.

Ela contou que fazia um protesto silencioso sozinha enquanto ouvia o presidente da Câmara falar, quando foi surpreendida pelo segurança.

“Ele arrancou da minha mão a camiseta e eu saí correndo atrás dele. Fui agredida”, disse. Segundo a secretária parlamentar, o segurança correu para dentro do plenário com a camiseta na mão e ela teve o acesso barrado.

 

g1


Compartilhar
Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Google Plus

Leia Também
Prêmios de loterias não resgatados somam R$ 326 milhões em 2017

Avalanche isola hotel e pousada nos Alpes italianos

White Martins abre inscrições para programa de estágio

Globocop cai na orla da Zona Sul do Recife e deixa dois mortos


Lula irá a Porto Alegre nesta terça-feira, diz Gleisi Hoffmann

Lula irá a Porto Alegre nesta terça-feira, diz Gleisi Hoffmann


Sisu 2018 vai abrir inscrições à 0h desta terça, diz MEC

Sisu 2018 vai abrir inscrições à 0h desta terça, diz MEC


Decreto autoriza Nubank a virar banco

Decreto autoriza Nubank a virar banco


PF diz que uso de algemas nos pés e nas mãos de Cabral foi para garantir a segurança do próprio preso, dos policiais e de terceiros

PF diz que uso de algemas nos pés e nas mãos de Cabral foi para garantir a segurança do próprio preso, dos policiais e de terceiros