Superinformado Notícias
Facebook
Twitter
Instagram

Dirigir com farol baixo apagado gera 12 mil multas em 4 dias

A lei teve origem em um projeto apresentado pelo deputado federal Rubens Bueno (PPS-PR).


terça-feira, 12/julho/2016
Dirigir com farol baixo apagado gera 12 mil multas em 4 dias

Cerca de três mil motoristas foram multados por dia, ao dirigir em rodovias federais com o farol baixo apagado durante o dia, entre a última sexta-feira (8) e segunda-feira (11), totalizando cerca de 12 mil multas, de acordo com dados divulgados pela Polícia Rodoviária Federal, nesta terça-feira (12).

A lei que torna obrigatório o uso dos faróis ligados durante o dia entrou em vigor na última sexta (8). O número médio de multas é preliminar, já que as infrações têm um prazo de até cinco dias para serem lançadas no sistema e são fechadas após 30 dias.

O condutor que desrespeitar a lei está sujeito a ter quatro pontos registrados na carteira e a aplicação de uma multa de R$ 85,13, que em novembro passa a ser R$ 130,16. Diferente do farolete, farol de milha, farol de neblina ou lanterna, o farol baixo é aquele usado normalmente durante a noite para iluminar a via sem ofuscar o motorista que vem no sentido contrário. O condutor que usar qualquer outra opção sem acionar o farol baixo também estará sujeito à multa.

A lei teve origem em um projeto apresentado pelo deputado federal Rubens Bueno (PPS-PR). De acordo com o parlamentar, depois que a obrigatoriedade do farol aceso durante o dia foi adotada nas rodovias dos Estados Unidos, o número de acidentes frontais diminuiu em 5% e o número de outros acidentes, como atropelamentos e acidentes com bicicletas, reduziu em 12%. Na Argentina, os estudos mostram que o número de acidentes diminuiu 28%.

Em 2014, 43.780 pessoas morreram em acidentes de trânsito no Brasil, de acordo com o Sistema de Informação de Mortalidade do Ministério da Saúde. Em 2015, o Sistema Único de Saúde (SUS) registrou 132.756 internações em decorrência de acidentes de trânsito. Nas estradas federais, foram 122 mil acidentes e 6.859 mortes no ano passado, segundo a PRF.

Desde 1998, o Conselho Nacional de Trânsito (Contran) já recomendava o uso do farol com a justificativa de que o sistema de iluminação é elemento de segurança dos veículos e que algumas cores de carros dificultam a sua visualização mesmo em boas condições de luminosidade.

Para a Polícia Rodoviária Federal (PRF), a medida vai aumentar a segurança dos motorista, tendo em vista que o farol não serve apenas para melhorar a visibilidade do condutor, mas também faz com que ele seja visto por outros motoristas e pedestres.

ParanaPortal


Compartilhar
Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Google Plus