Superinformado Notícias
Facebook
Twitter
Instagram

Dólar fecha em alta e ultrapassa R$ 2,40


segunda-feira, 27/janeiro/2014
Dólar fecha em alta e ultrapassa R$ 2,40

 O dólar fechou em alta de mais de 1% nesta segunda-feira (27) e ultrapassou R$ 2,40. A valorização da moeda ocorre por conta da compra de dólares por parte de investidores que buscam se proteger da decisão que o banco central dos Estados Unidos irá tomar, nesta semana, sobre o futuro do estímulo econômico norte-americano.

Pesou ainda a aversão a risco sobre os mercados emergentes que tem afetado os mercados financeiros nos últimos dias.

A moeda norte-americana subiu 1,17%, a R$ 2,426, a maior cotação desde 22 de agosto, quando o Banco Central anunciou o programa de intervenções diárias no câmbio e o dólar era negociado na casa dos R$ 2,43. Veja cotação

Segundo dados da BM&F, o giro financeiro ficou em torno de US$ 1,4 bilhão. No ano, o dólar acumula alta de 2,91%.

“A preocupação do mercado continua sendo se resguardar da decisão do Fed. Qualquer vacilo acaba levando o pessoal a se proteger”, afirmou à Reuters o gerente de câmbio da corretora Treviso, Reginaldo Galhardo.

Investidores esperam que o Fed anuncie na quarta-feira mais um corte de US$ 10 bilhões no programa de compras mensais de títulos, ante os atuais US$ 75 bilhões, reduzindo ainda mais a oferta global de liquidez.

A incerteza em torno do efeito dessa decisão motivou, na semana passada, uma onda de mau humor global em relação a mercados emergentes, com consequente alta do dólar. Contudo, analistas afirmam que a perspectiva de que o Banco Central brasileiro possa intensificar as atuações de forma a evitar que o fortalecimento do dólar contamine a inflação tende a amortecer esse impacto.

BC brasileiro atento

“O pessoal já sabe que o BC aqui está de olho, principalmente com as declarações do Tombini de hoje”, afirmou à Reuters o gerente de câmbio da corretora BGC Liquidez, Francisco Carvalho.

Ele se referia às declarações do presidente do BC, Alexandre Tombini, em Londres, de que a autoridade monetária está trabalhando para combater o repasse do câmbio aos preços. Com isso, há expectativa de que o BC vai atuar para evitar que a moeda americana continue subindo e respingando nos preços em geral.

A constante presença do BC no câmbio tem levado o dólar a operar entre R$ 2,35 e R$ 2,40 desde o início do ano (com exceção desta segunda), um nível considerado pelo mercado como interessante para ajudar nas exportações brasileiras sem pressionar a inflação.

Nesta segunda, a autoridade monetária continuou atuando e vendendo a oferta total de 4 mil swaps tradicionais – equivalentes à venda futura de dólares – em 2,2 mil contratos com vencimento em 1º de setembro e 1,8 mil contratos com vencimento em 1º de dezembro deste ano. A operação teve volume equivalente a US$ 197,2 milhões.

Além disso, o BC fez a oitava etapa da rolagem dos swaps que vencem em 3 de fevereiro, vendendo a oferta total de 25 mil swaps. Com isso, restam apenas cerca de 10% do lote total do mês que vem, equivalente a US$ 11,028 bilhões.

Mesmo assim, analistas esperam que o mercado doméstico possa ser afetado pela onda de volatilidade que varre os mercados emergentes.

g1


Compartilhar
Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Google Plus

Leia Também
Prêmios de loterias não resgatados somam R$ 326 milhões em 2017

Avalanche isola hotel e pousada nos Alpes italianos

White Martins abre inscrições para programa de estágio

Globocop cai na orla da Zona Sul do Recife e deixa dois mortos


Lula irá a Porto Alegre nesta terça-feira, diz Gleisi Hoffmann

Lula irá a Porto Alegre nesta terça-feira, diz Gleisi Hoffmann


Sisu 2018 vai abrir inscrições à 0h desta terça, diz MEC

Sisu 2018 vai abrir inscrições à 0h desta terça, diz MEC


Decreto autoriza Nubank a virar banco

Decreto autoriza Nubank a virar banco


PF diz que uso de algemas nos pés e nas mãos de Cabral foi para garantir a segurança do próprio preso, dos policiais e de terceiros

PF diz que uso de algemas nos pés e nas mãos de Cabral foi para garantir a segurança do próprio preso, dos policiais e de terceiros