Superinformado Notícias
Facebook
Twitter
Instagram

Estudantes e donas de casa têm maior índice de depressão do que trabalhadores “comuns”

Fato de suas atividades não serem reconhecidas como deveriam é um dos motivos para explicar distúrbio


segunda-feira, 11/julho/2016
Estudantes e donas de casa têm maior índice de depressão do que trabalhadores “comuns”

Dedicar-se a trabalhos domésticos ou ao estudo são ofícios que precisam de mais respeito e, sobretudo, atenção quando o assunto é saúde pública. Pesquisa divulgada recentemente pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostra que, em relação ao mercado de trabalho, estudantes, donas de casa e também os aposentados constituem o grupo com o maior índice de prevalência de quadros depressivos.

De acordo com o quarto volume da Pesquisa Nacional de Saúde (PNS), publicado no fim do mês passado, o conjunto dos chamados “fora da força de trabalho” – que absorve trabalhadores do lar, estudantes e aposentados – representava, em 2013, 10,2% do total de pessoas de 18 anos ou mais que já relataram sofrer de depressão. Para se ter uma ideia, o universo dos que à época disseram ter um trabalho fixo e que ressaltaram diagnóstico médico positivo para o distúrbio foi quatro pontos percentuais mais baixo, ou seja, 6,2%.

As justificativas clínicas que ajudam a dar respaldo aos números mostram que o problema não é irrisório. E pior: tem origens na própria estrutura da sociedade, cuja cultura tende a não reconhecer a importância das atividades praticadas por quem não frequenta o ambiente de trabalho oficialmente estabelecido pelo mercado.

“Se elas fossem reconhecidas, se sentiriam mais úteis à sociedade”, afirma a psicóloga e professora de Psicologia da Universidade Positivo (UP) Marina Pires Alves Machado, referindo-se à classe dos estudantes, donas de casa e aposentados. “O trabalho é central na nossa vida. Quando somos pequenos, todos ficam perguntando o que a gente vai ser quando crescer, que profissão vamos seguir. Parece que até então a gente não é nada. E quando exercemos uma atividade que não é remunerada, é como se isso fosse menos e acaba afetando nossa autoestima, nosso bem-estar”, explica.

E, para os aposentados, o argumento de já ter feito o bastante parece não pesar muito nestas horas. A professora explica que a falta de uma rotina de trabalho pode romper bruscamente o cotidiano de um idoso, que, muitas vezes, não está preparado para viver uma vida mais tranquila. É quando chega a depressão.

“A pessoa sai de casa e fica 30, 40 anos trabalhando. Quando vai se aposentar não parece encontrar meios de como ocupar o tempo dela. Ela já não sabe mais o espaço que ocupa dentro de casa, não se prepara emocionalmente para voltar para essa casa, que geralmente está mais vazia, sem os filhos”, diz a professora, que ressalta a importância, nessas horas, das atividades voltadas para a terceira idade. “Muitas dessas pessoas têm um grupo social que é ligado ao trabalho, o que é mais complicado. Os que tem grupos de amizade fora, conseguem superar isso melhor. Por isso a importância dos programas de melhor idade, que fazem o aposentado ter mais momentos sociais de lazer”.

Pessoas em idade de trabalho que não exercem atividades reconhecidas formalmente pelo mercado apresentam maiores índices de depressão. O percentual leva em conta a prevalência de depressão entre as pessoas de 18 anos ou mais de idade, que foi de 7,6% em 2013.

Gazeta do Povo

Compartilhar
Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Google Plus

Leia Também
Prefeito de Petrópolis, pede desculpa e diz que vai revogar lei do Dia do Servidor ‘Bonito Esteticamente’

Demora em associar ruído a submarino que desapareceu causa polêmica na Argentina

Anatel começa a bloquear celular pirata a partir de maio de 2018

Parceiro de Alceu Valença, cantor e compositor Tito Lívio morre aos 60 anos, em Olinda


Estudo aponta contaminação por cocaína no mar do litoral de SP

Estudo aponta contaminação por cocaína no mar do litoral de SP


Mega-Sena, ninguém acerta e prêmio acumula em R$ 60 mi

Mega-Sena, ninguém acerta e prêmio acumula em R$ 60 mi


Assembleia paulista aprova lei que facilita sujar nome de devedor

Assembleia paulista aprova lei que facilita sujar nome de devedor


Black Friday: veja os principais problemas dos últimos anos e listas de empresas mais reclamadas

Black Friday: veja os principais problemas dos últimos anos e listas de empresas mais reclamadas