Superinformado Notícias
Facebook
Twitter
Instagram

Falta de quórum adia para agosto leitura de parecer sobre Temer na Câmara

Procedimento é necessário para que relatório possa ser incluído na pauta de votações do plenário


segunda-feira, 17/julho/2017
Falta de quórum adia para agosto leitura de parecer sobre Temer na Câmara

Com presença insuficiente de deputados, a Câmara adiou nesta segunda-feira (17), pela segunda vez consecutiva, a leitura no plenário do parecer da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) que recomenda a rejeição da denúncia contra o presidente da República, Michel Temer.

O procedimento regimental é uma das etapas exigidas para que o relatório possa ser incluído na pauta de votação do plenário, marcada para 2 de agosto. Cabe ao plenário a palavra final sobre autorizar ou não o Supremo Tribunal Federal (STF) a analisar a denúncia da Procuradoria Geral da República contra o presidente, acusado de corrupção passiva.

Para que a sessão desta segunda-feira fosse aberta, eram necessárias as presenças de ao menos 51 deputados, mas somente 13 compareceram. Cerca de meia hora após o horário marcado para o início da sessão, foi anunciado o seu cancelamento.

A primeira tentativa havia sido feita na sexta-feira (14), mas somente 19 parlamentares estavam presentes.

Diante do início do recesso parlamentar, a partir desta terça-feira (18), a leitura ficará para agosto, quando os deputados voltam das férias de meio de ano.

Pelo regimento, após a leitura no plenário, o parecer será publicado no “Diário Oficial da Câmara”, e o presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), será notificado para que possa incluir a denúncia na pauta de votação.

Relatório

O parecer a ser lido é o do deputado Paulo Abi-Ackel (PSDB-MG), aprovado pela CCJ após a rejeição do relatório do deputado Sergio Zveiter (PMDB-RJ), que recomendava a continuidade do processo no Poder Judiciário.

Para garantir a vitória na CCJ, o governo patrocinou uma série de substituições entre os integrantes para reforçar o time de parlamentares fiéis a Temer. Com isso, o parecer de Zveiter foi rejeitado por 40 votos a 25. Em uma segunda votação, o relatório de Abi-Ackel foi aprovado 41 votos a 24

A denúncia da PGR

A denúncia contra Temer foi apresentada pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, com base nas delações de executivos do grupo J&F, que controla a JBS.

Esta é a primeira vez que um presidente da República é denunciado ao STF no exercício do mandato.

Votação

Para que a denúncia siga para o Supremo, são necessários os votos de pelo menos 342 dos 513 deputados.

A votação será nominal, com chamada dos deputados ao microfone, que responderão ‘sim’ ou ‘não’, no mesmo formato da votação do processo de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff.

Segundo Maia, o rito da sessão será o seguinte:

  • Defesa do presidente Michel Temer terá 25 minutos para se manifestar sobre a denúncia;
  • Relator do parecer vencedor na CCJ, Paulo Abi-Ackel, terá 25 minutos para expor o seu relatório;
  • Discussão entre os deputados inscritos. Pelo regimento, um requerimento para encerrar a fase de debates poderá ser votado após dois parlamentares terem falado contra a denúncia e dois a favor;
  • Assim que for atingido o quórum mínimo de 342 deputados, terá início a votação.
g1

Compartilhar
Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Google Plus

Leia Também
Trump vai enviar americanos para a Lua e para Marte, diz Casa Branca

Relatório dos EUA afirma que tripulantes de submarino argentino tiveram morte imediata em explosão

Caixa prorroga prazo para concluir financiamento de imóveis usados aprovados antes de reduzir limite

Morre em São Paulo o estilista Ocimar Versolato


Facebook diz ‘esperar tomar medidas’ contra perfis falsos no Brasil antes das eleições de 2018

Facebook diz ‘esperar tomar medidas’ contra perfis falsos no Brasil antes das eleições de 2018


Carro cai no mar e motorista desaparece em São Sebastião

Carro cai no mar e motorista desaparece em São Sebastião


Denatran torna mais rigorosa a inspeção de veículos

Denatran torna mais rigorosa a inspeção de veículos


Marco Aurélio Mello determina quebra de sigilos bancário e fiscal de Aécio Neves

Marco Aurélio Mello determina quebra de sigilos bancário e fiscal de Aécio Neves