Superinformado Notícias
Facebook
Twitter
Instagram

Filha que viu mãe ser esfaqueada, no Rio, ainda não sabe da morte

A menina de 7 anos que testemunhou o esfaqueamento e morte da mãe ainda não sabe que está órfã.


sábado, 16/julho/2016
Filha que viu mãe ser esfaqueada, no Rio, ainda não sabe da morte

A menina de 7 anos que testemunhou o esfaqueamento e morte da mãe, na noite da última quinta-feira, no Estácio, região central do Rio, ainda não sabe que está órfã. A família resolveu preservar a criança e esperar um momento em que todos estejam mais calmos para explicar o fim dessa história trágica. Segundo o tio-avô dela, Tobias Luiz Silveira, de 68 anos, a garota saberá apenas na tarde deste sábado que a mãe morreu.

— Nós deixamos a menina na casa de uma tia, em Pilares (na Zona Norte), para mantê-la afastada dessa história. Mas vamos conversar com ela hoje, não tem mais como esperar. Ela será levada para a minha casa, em Copacabana (na Zona Sul), que é um local diferente do que ela vivia. Ela já morou lá e, inclusive, tem amigos no bairro — revela o tio.

Ainda segundo ele, que é militar reformado do Exército, uma reunião familiar será realizada o mais breve possível para decidir com quem a menina, que tem um irmão mais velho, ficará.

— Já deixei claro para todos o meu desejo, e da minha mulher, de criarmos a nossa sobrinha. Vamos procurar a ajuda de um psicóloga — adianta Tobias, que acrescenta: — Segunda-feira eu irei à delegacia para tomar as medidas necessárias.

Menina prestará depoimento

Segundo o delegado Fábio Cardoso, titular da Delegacia de Homicídios, a menina prestará depoimento em um momento oportuno.

— Estamos em contato com a família para que, numa hora mais adequada, a criança possa ser ouvida. Nós temos profissionais especializados no atendimento de crianças e que vão nos ajudar nessa investigação — afirmou.

Entenda o caso

Christiane de Souza Andrade, de 46 anos, saiu de casa, no Estácio, para fazer compras rápidas em um mercado a poucos passos de distância, no início da noite de quinta-feira. Em vez de voltar com os mantimentos, perdeu a vida ali mesmo, na porta do estabelecimento, situado a pouco mais de 300 metros do Hospital Central da Polícia Militar e a 800 do Centro Integrado de Comando e Controle do governo estadual. Diante da filha de 7 anos, que ainda tentou socorrê-la, foi, segundo testemunhas, esfaqueada duas vezes no pescoço por um dos muitos usuários de droga que perambula recorrentemente pela região.

Pessoas que presenciaram o crime relatam que o homem pediu dinheiro a Christiane e ouviu uma negativa. Ele teria, então, sacado a faca, momento em que a vítima disse conhecê-lo: “O que é isso, rapaz, eu sei quem você é”. O apelo não bastou para evitar os golpes do criminoso que, em um vídeo gravado por um taxista que socorreu a dona de casa, chega a ser chamado pelo nome pela menina que presenciou tudo.

Fonte: Extra

 


Compartilhar
Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Google Plus

Leia Também
Prefeito de Petrópolis, pede desculpa e diz que vai revogar lei do Dia do Servidor ‘Bonito Esteticamente’

Demora em associar ruído a submarino que desapareceu causa polêmica na Argentina

Anatel começa a bloquear celular pirata a partir de maio de 2018

Parceiro de Alceu Valença, cantor e compositor Tito Lívio morre aos 60 anos, em Olinda


Estudo aponta contaminação por cocaína no mar do litoral de SP

Estudo aponta contaminação por cocaína no mar do litoral de SP


Mega-Sena, ninguém acerta e prêmio acumula em R$ 60 mi

Mega-Sena, ninguém acerta e prêmio acumula em R$ 60 mi


Assembleia paulista aprova lei que facilita sujar nome de devedor

Assembleia paulista aprova lei que facilita sujar nome de devedor


Black Friday: veja os principais problemas dos últimos anos e listas de empresas mais reclamadas

Black Friday: veja os principais problemas dos últimos anos e listas de empresas mais reclamadas