Superinformado Notícias
Facebook
Twitter
Instagram

Furacão Irma provoca grandes danos em ilhas no Caribe

De categoria cinco, o furacão se desloca para o oeste-noroeste e ameaça Anguilla, as ilhas Virgens britânicas, a ponta leste de Porto Rico e talvez o Haiti


quarta-feira, 06/setembro/2017
Furacão Irma provoca grandes danos em ilhas no Caribe

O furacão Irma causou danos materiais significativos nas ilhas de Saint Barts e Saint Martin, no Caribe, depois de atingir o solo na ilha de Barbuda de madrugada, com rajadas de até 295 km/h.

De categoria cinco, a mais alta na escala que mede esses fenômenos, o furacão se desloca para o oeste-noroeste e ameaça Anguilla, as ilhas Virgens britânicas, a ponta leste de Porto Rico e talvez o Haiti.

Com cerca de 50 quilômetros de diâmetro, o olho do furacão permaneceu por volta de uma hora e meia na ilha francesa de St. Barts e, na sequência, castigou a ilha franco-holandesa de St. Martin.

“O mar está batendo com uma violência extrema na costa, e há uma grande submersão das zonas baixas do litoral”, informou a agência meteorológica francesa Météo France.

“Os danos materiais já são significativos”, declarou a ministra francesa de Ultramar, Annick Girardin, relatando “telhados arrancados” e cortes nas comunicações entre Paris e essas ilhas francesas das Antilhas.

No Twitter, Giradin anunciou que, nesta quarta à noite, parte para Guadalupe, “com novos reforços humanos e materiais para a zona”.

Irma chegou de madrugada à ilha de Barbuda, com ventos de até 295 km/h, segundo o Centro Nacional de Furacões (NHC, na sigla em inglês) dos Estados Unidos, e segue avançando pelo Caribe. Lá, deve provocar tempestades e ondas gigantes.

O avião que leva o papa Francisco para a Colômbia teve de fazer um desvio de rota para evitar o furacão.

A ilha francesa de Guadalupe, mais ao sul das Antilhas, não sofreu a destruição que se temia. O alerta vermelho de furacão foi suspenso nesta quarta.

Quando passou pelo Atlântico, Irma tinha “uma intensidade sem precedentes”, informou a agência Météo France.

Irma já é mais potente do que os furacões Luis (1995, St. Martin), Hugo (1989, 15 mortos em Guadalupe) e Harvey. Este último castigou os estados americanos do Texas e de Louisiana, deixando 42 mortos e mais de 100 bilhões de dólares em danos materiais.

O vento de um poder destruidor se intensificará nas duas ilhas com o passar das horas. A pior etapa é esperada para entre 6h e meio-dia local (7h e 11h, em Brasília), com rajadas acima de 300 km/h.

Os serviços meteorológicos já mediram rajadas de até 360 km/h, o que não se vê desde o furacão Gilbert, em 1988.

Também estão previstas chuvas torrenciais.

“A casa treme”

A passagem do olho do furacão se viu acompanhada “de uma tranquilidade temporária e enganosa”, relata Jérôme Lecou, da Météo France.

Ele adverte, porém, que, em seguida, “vem um muro de nuvens e ventos que provocam as condições mais extremas”.

Em um primeiro momento, a Météo France registrou ventos de até 244 km/h em St. Barts, uma das ilhas favoritas do “jet-set”. A atualização dos dados não foi possível, porque o órgão perdeu seus instrumentos de medição no terreno, arrastados pelo próprio furacão.

“O vento se intensifica, a casa treme”, conta Bruno, de 57 anos, falando por telefone nessa ilha francesa.

Pelo barulho, Bruno – que já vivenciou “Hugo, Maryline, Luis, Gonzalo, Georges” – considerou que Irma “é mais violento do que Gonzalo, ou Maryline. Em relação a Hugo, vamos saber depois”.

O ministro francês do Interior, Gérard Collomb, declarou que, “por enquanto”, não há registro de mortos em St. Martin.

A televisão pública holandesa, NOS, indicou que o furacão provocou “enormes danos” em St. Martin e mostrou imagens tuitadas pela Rádio Caraibes International. Nelas, é possível ver carros abandonados e meio submersos, além de barcos danificados, ou destruídos.

“Recebemos informações de telhados arrancados em Barbuda” e em Antígua, declararam os serviços de resgate presentes.

Em um tuíte por volta das 12h GMT (9h, em Brasília), o comandante da Marinha de Guerra holandesa no Caribe, Peter Jan de Vin, disse que a ilha de St. Eustace se encontrava no olho do furacão.

“O barulho do vento se parece com o de um trem de carga. Relatos de telhados arrancados”, tuitou o governador da ilha de Saba (outro território de ultramar holandês), Jonathan Johnson.

Ainda há “incerteza” em relação à Flórida, completou, referindo-se à possibilidade de Irma chegar à costa oeste, ou rumar para o leste.

“Os dois cenários são plausíveis”, comentou.

O presidente americano, Donald Trump, já declarou estado de emergência na Flórida, em Porto Rico e nas Ilhas Virgens para liberar recursos de urgência, se necessário, pela passagem do Irma. A evacuação das ilhas de Key West, no extremo sul da Flórida já está em curso.

“Acompanho de perto o furacão. Minha equipe, que fez e faz um trabalho muito bom no Texas, já está na Flórida”, tuitou o presidente.

No Haiti, que ainda não se recuperou do furacão Matthew de outubro passado, a população recebeu apenas um alerta da chegada do Irma.

A AFP verificou que, nos bairros pobres da segunda maior cidade do país, Cap-Haitien, com construções frágeis e improvisadas, ninguém foi alertado.

 

Exame


Compartilhar
Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Google Plus

Leia Também
Prefeito de Petrópolis, pede desculpa e diz que vai revogar lei do Dia do Servidor ‘Bonito Esteticamente’

Demora em associar ruído a submarino que desapareceu causa polêmica na Argentina

Anatel começa a bloquear celular pirata a partir de maio de 2018

Parceiro de Alceu Valença, cantor e compositor Tito Lívio morre aos 60 anos, em Olinda


Estudo aponta contaminação por cocaína no mar do litoral de SP

Estudo aponta contaminação por cocaína no mar do litoral de SP


Mega-Sena, ninguém acerta e prêmio acumula em R$ 60 mi

Mega-Sena, ninguém acerta e prêmio acumula em R$ 60 mi


Assembleia paulista aprova lei que facilita sujar nome de devedor

Assembleia paulista aprova lei que facilita sujar nome de devedor


Black Friday: veja os principais problemas dos últimos anos e listas de empresas mais reclamadas

Black Friday: veja os principais problemas dos últimos anos e listas de empresas mais reclamadas