Superinformado Notícias
Facebook
Twitter
Instagram

‘Metralhadora do Rambo’ apreendida no Rio é de brinquedo

Modelo de Airsoft custa R$ 4.650, enquanto metralhadora real valeria R$ 100 mil no mercado negro.


terça-feira, 12/setembro/2017
‘Metralhadora do Rambo’ apreendida no Rio é de brinquedo

A apreensão de uma super metralhadora feita pela Polícia Militar, semana passada, na laje de uma casa na divisa das favelas de Parada de Lucas e Vigário Geral, foi festejada pela cúpula da segurança pública estadual e vista com certa apreensão por especialistas no tema. Anunciada como ‘A Arma do Rambo’, a metralhadora M60 encontrada em poder de traficantes seria a primeira já apreendida até hoje no país. Seu poder de fogo é avassalador em virtude da quantidade de tiros (milhares) que ela é capaz de disparar em sequência. O único porém dessa história toda é que a arma em poder dos bandidos era de brinquedo.

O RJTV obteve informações através de peritos de que de que a arma – que hoje está em poder da Delegacia Especializada em Armas e Explosivos (Desarme) para tentar rastrear a procedência – é, na verdade, de AirSoft. E pode ser encontrada em vários sites especializados em réplicas. Numa simples pesquisa no Google você encontra o mesmo modelo que estava com os traficantes sendo vendido pela Falcon Armas por R$ 4.650. Uma metralhadora dessas, de verdade, não custaria menos de R$ 100 mil no mercado negro.

No site é possível ver que a arma – o Rifle de Airsoft Elétrico A&k M60 Machine Gun Full Metal – Bi-volt – é carregável na tomada. Na opinião de peritos, no momento da apreensão da arma já era possível ver que não se tratava de uma arma de verdade, já que além de muito leve, a metralhadora apresenta fios elétricos no interior do cano e do carregador, além de uma bateria de plástico. Outro detalhe que logo chamou a atenção dos peritos foi o fato de os cartuchos de calibre 7,62 que estavam presos a uma fita sequer cabem na arma.

O curioso é que a arma encontrada foi classificada por especialistas como um indício de que poderia ser este o início de um derrame de armas das Forças Revolucionárias da Colômbia (Farc) em favelas do Rio de Janeiro, após o acordo de rendição firmado no país vizinho. Desfeito o mal entendido, o comandante do 16ºBPM (Olaria), coronel Alex Benevenuto, que mostrou preocupação já que nem militares tinham o treinamento específico de manuseio da arma, pode ficar tranquilo. Dessas armas, os tiros são de bolinha.

Em nota, a Polícia Civil informou que uma análise da Delegacia Especializada em Armas Munições e Explosivos (Desarme) sobre a suposta metralhadora M60 apreendida na Favela de Lucas, na Zona Norte, chegou à conclusão de que se trata de uma arma do tipo Airsoft, arma de pressão com munição plástica, usada para treinamento e entretenimento.

O material foi encaminhado ao Serviço de Perícias de Arma de Fogo do Instituto de Criminalística Carlos Éboli da Polícia Civil para exames periciais. O RJTV também analisou o material e já constatou que a arma é de brinquedo.

g1

Compartilhar
Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Google Plus

Leia Também
Prefeito de Petrópolis, pede desculpa e diz que vai revogar lei do Dia do Servidor ‘Bonito Esteticamente’

Demora em associar ruído a submarino que desapareceu causa polêmica na Argentina

Anatel começa a bloquear celular pirata a partir de maio de 2018

Parceiro de Alceu Valença, cantor e compositor Tito Lívio morre aos 60 anos, em Olinda


Estudo aponta contaminação por cocaína no mar do litoral de SP

Estudo aponta contaminação por cocaína no mar do litoral de SP


Mega-Sena, ninguém acerta e prêmio acumula em R$ 60 mi

Mega-Sena, ninguém acerta e prêmio acumula em R$ 60 mi


Assembleia paulista aprova lei que facilita sujar nome de devedor

Assembleia paulista aprova lei que facilita sujar nome de devedor


Black Friday: veja os principais problemas dos últimos anos e listas de empresas mais reclamadas

Black Friday: veja os principais problemas dos últimos anos e listas de empresas mais reclamadas