Superinformado Notícias
Facebook
Twitter
Instagram

Ministro da Saúde participou de ‘venda’ de cargo no governo do Paraná, diz delator da Operação Quadro Negro

Segundo o dono da Construtora Valor, Ricardo Barros determinou valores a serem pagos para o cunhado, irmão da vice-governadora.


sexta-feira, 01/setembro/2017
Ministro da Saúde participou de ‘venda’ de cargo no governo do Paraná, diz delator da Operação Quadro Negro

O ministro da Saúde, Ricardo Barros, foi citado em um dos depoimentos que o dono da Construtora Valor prestou ao Ministério Público Federal (MPF). A colaboração precisa ser homologada pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

O empresário Eduardo Lopes de Souza, investigado por fraudes em licitações na construção de escolas do Paraná que chegam a R$ 20 milhões, fechou um acordo de delação premiada. As suspeitas são apuradas pela Operação Quadro Negro.

As informações foram divulgadas pela “Folha de S. Paulo” nesta sexta-feira (1º) e confirmadas pelo G1 e pela RPC Curitiba. O ministro negou as acusações.

“A Operação Quadro Negro já virou inquérito e ação na Justiça há mais de um ano, e não houve qualquer citação ao nome do ministro. O ministro esta à inteira disposição para esclarecimentos quando tiver acesso ao inteiro teor da suposta delação, reafirmando sua lisura no exercício da função pública”, afirmou o ministro.

No depoimento, Souza afirma que Barros participou de uma “venda” de um cargo lotado no gabinete da vice-governadora do Paraná, Cida Borghetti, que é casada com o ministro.

O cargo teria sido prometido ao irmão de Cida, Juliano Borghetti, que já foi vereador em Curitiba. O ex-vereador poderia indicar alguém para essa função na vice-governadoria. Juliano Borghetti chegou a ser preso pela Operação Quadro Negro em dezembro de 2015.

Conforme o delator, Juliano Borghetti afirmou que não poderia assumir o cargo público, pois ficou com a imagem desgastada, após se envolver em uma briga de torcidas de futebol em Joinville, em Santa Catarina.

O irmão da vice-governador apareceu nas imagens da confusão envolvendo torcedores do Atlético-PR e do Vasco, na última rodada do Campeonato Brasileiro de 2013. A briga teve repercussão nacional.
Ainda conforme o depoimento, Juliano Borghetti disse que precisava falar com Ricardo Barros, que à época era deputado federal. Segundo o empresário, o irmão de Cida disse que era Barros quem mandava.
O empresário afirmou que houve uma série de reuniões para tratar do assunto. Os encontros ocorreram na vice-governadoria e no Diretório Estadual do Partido Progressista, em Curitiba.

Em uma dessas reuniões, Ricardo Barros disse que concordava com a proposta, mas Eduardo Lopes de Souza deveria pagar R$ 15 mil ao mês para Juliano Borghetti. O dono da Valor disse que aceitou a proposta. Ele também afirmou que se encontrou com Barros por três ou quatro vezes.
Ainda conforme o depoimento do empresário, ele indicou para o cargo Marilaine Firmino.
“Nessas reuniões ele disse que colocaria a Mari na Sema e que, em relação aos contratos que eu ganhasse lá, a gente ‘acertava’ posteriormente, na época da campanha. Ele disse que não gostava de receber valores ao longo da execução das obras. Batemos o martelo e a Mari foi nomeada num cargo na vice-governadoria”, diz outro trecho da delação.

Passado algum tempo, Cida Borghetti teria chamado o empresário até o gabinete dela para conversar sobre o assunto. Souza afirmou que ela agradeceu pessoalmente por ter resolvido a situação do irmão.

Após a nomeação da pessoa indicada por Souza, Juliano Borghetti teria recebido o dinheiro. Os pagamentos, segundo o delator, aconteceram no início de 2015. O repasse para o irmão de Cida foi de R$ 15 mil, por mês, durante três meses. Os valores foram entregues diretamente na sede da Construtora Valor.
A defesa do empresário Eduardo Lopes de Souza afirmou que, devido ao sigilo da ação, não pode se manifestar. Tentamos contato com a defesa de Marilaine.

g1


Compartilhar
Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Google Plus

CFW Agência de Internet