Superinformado Notícias
Facebook
Twitter
Instagram

Nestor Cerveró cita US$ 100 milhões de propina ao governo de FHC

Compra da empresa argentina pela Petrobras ocorreu em 2002.


segunda-feira, 11/janeiro/2016
Nestor Cerveró cita US$ 100 milhões de propina ao governo de FHC

O ex-diretor da área Internacional da Petrobras Nestor Cerveró, disse à Procuradoria-Geral da República (PGR), antes de fechar o acordo de delação premiada, que a venda da petrolífera Pérez Companc envolveu pagamento de propina no valor de US$ 100 milhões ao governo de Fernando Henrique Cardoso (FHC).

O documento em que consta a informação foi obtido pela RPC. Cerveró está preso pela Lava Jato desde janeiro do ano passado.

A compra da empresa argentina pela Petrobras ocorreu em 2002. Ainda de acordo com o depoimento, Cerveró disse que quem repassou essa informação a ele foram os diretores da Pérez Companc e Oscar Vicente, ligado ao ex-presidente argentino Carlos Menem.

Menem foi condenado em janeiro de 2015 a quatro anos e meio por um caso de corrupção durante seu governo (1989-1999). Em junho de 2013, Menem também foi condenado a sete anos de prisão por sua responsabilidade no contrabando de armas para a Croácia e o Equador durante seu governo.

Já Oscar Vicente, segundo Cerveró, seria o principal operador de Menem. “Durante os primeiros anos da nossa gestão, permaneceu como diretor da Petrobras na Argentina”, argumentou o ex-diretor da Petrobras.
A delação de Cerveró foi homologada recentemente e segue em segredo de Justiça. Nela, Cerveró cita possíveis pagamentos de propina aos senadores Renan Calheiros (PMDB), Jader Barbalho (PMDB) e Delcídio do Amaral (PT), que foi preso no dia 25 de novembro.

Prêmios milionários

Cerveró também argumentou à PGR que diretores da Companc e Oscar Vicente receberam prêmios milionários pela negociação da petrolífera.

“Cada diretor da Perez Companc recebeu um milhão de dólares como prêmio pela venda da empresa e Oscar Vicente 6 milhões. Nos juntamos a Perez Compac com a Petrobras Argentina e criamos a Pesa (Petrobras Energia S/A) na Argentina”, declarou Cerveró.
Investigação

De acordo com a Polícia Federal (PF) e com o Ministério Público Federal (MPF), Cerveró, na condição de diretor Internacional da Petrobras, se beneficiou do esquema de fraude, corrupção e desvio de dinheiro, recebendo propinas milionárias em virtude de diferentes contratos da Petrobras e também na compra da refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos.

O ex-diretor já foi condenado duas vezes pela Justiça Federal por crimes como corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Se somadas, as penas ultrapassm 17 anos de prisão.

Delação premiada

A deleção premiada de Cerveró foi homologada após a divulgação de uma gravação feita numa reunião do senador Delcídio do Amaral com o chefe de gabinete dele, Diogo Ferreira, o advogado Edson Ribeiro e o filho de Cerveró, Bernardo. Diogo Ferreira teve a prisão temporária convertida para preventiva.

A conversa foi gravada por Bernardo, com um celular no bolso. Nela, eles discutiram um plano para evitar que o ex-diretor da Petrobrás, Nestor Cerveró assinasse um acordo de delação premiada.

O senador Renan Calheiros nega a imputação e reitera que suas relações com empresas públicas ou privadas nunca ultrapassaram os limites institucionais. Já a defesa do senador Delcídio Amaral afirmou que não vai se manifestar. A assessoria de imprensa de Jader Barbalho informou que o senador não vai se pronunciar por enquanto.

g1


Compartilhar
Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Google Plus

Leia Também
Mega-Sena, ninguém acerta as seis dezenas e prêmio vai a R$ 32 milhões

Deputada Shéridan e ex-governador de Roraima têm bens bloqueados por usarem jato do governo para viagem de funkeiro

Juíza federal suspende aumento dos impostos de combustíveis em todo o país

Catarinense está entre os feridos em atentado com van em Barcelona


‘Domingo Aéreo’ em SP terá esquadrilha aérea e maior avião fabricado no Brasil

‘Domingo Aéreo’ em SP terá esquadrilha aérea e maior avião fabricado no Brasil


Vaccarezza é preso em nova fase da Operação Lava Jato em São Paulo

Vaccarezza é preso em nova fase da Operação Lava Jato em São Paulo


Torre Eiffel apaga luzes em solidariedade aos mortos em Barcelona

Torre Eiffel apaga luzes em solidariedade aos mortos em Barcelona


Ataque terrorista em Barcelona: o que se sabe e o que falta esclarecer

Ataque terrorista em Barcelona: o que se sabe e o que falta esclarecer



CFW Agência de Internet