Superinformado Notícias
Facebook
Twitter
Instagram

Polícia apreende carro de R$ 1,8 milhão com suspeitos de envolvimento com a moeda falsa

Em vídeos, eles mostravam itens de luxo para convencer novos 'clientes'.


sexta-feira, 22/setembro/2017
Polícia apreende carro de R$ 1,8 milhão com suspeitos de envolvimento com a moeda falsa

A Polícia Civil do Distrito Federal apreendeu na tarde desta sexta-feira (22) um carro de luxo avaliado em R$ 1,8 milhão, da marca Lamborghini, com suspeitos de envolvimento com o esquema de pirâmide que culminou a operação contra a moeda virtual falsa Kriptacoin. Os criminosos recebiam dinheiro real das vítimas com a promessa de converter o montante em “moeda virtual” – o que, na prática, não acontecia.

O veículo foi apreendido na BR-060, em trecho próximo a Anápolis (GO), e estava no nome de terceiros – que não estão entre os 11 presos nesta quinta (21), quando a operação Patrik foi deflagrada), nem entre os dois que seguem foragidos.

O carro foi interceptado com a ajuda da Polícia Rodoviária Federal. Até as 17h, os investigadores ainda não sabiam qual a relação do motorista com o esquema de moeda falsa – e por isso, não sabiam se ele permaneceria detido.

Vídeos ostentação

Os donos da empresa Wall Street Corporate, acusados de comercializar a moeda virtual falsa Kriptacoin em um esquema de “pirâmide financeira”, gravaram vídeo dentro de um carro de luxo em que citam a compra de três veículos com o lucro do negócio criminoso.

No vídeo, obtido pela TV Globo, Alessandro Bento e Fernando Everton estão dentro de uma Ferrari – a segunda comprada por eles – e exibem o carro. Logo atrás, aparecem duas Mercedes, que um dos donos diz ser das respectivas mulheres.

Esquema milionário

O esquema criminoso envolvendo a moeda foi identificado pela Polícia Civil como “pirâmide financeira” – quando as pessoas precisam indicar novos associados para fazer o investimento render, atraindo cada vez mais gente para dentro do esquema.

Na manhã de quinta, a Polícia Civil cumpriu 11 mandados de prisão, e 18 de busca e apreensão em Brasília e em Goiânia. As investigações apontam que o esquema movimentou R$ 250 milhões, de janeiro até agora – dinheiro retirado de 40 mil vítimas.

No cumprimento dos mandados, os policiais apreenderam oito carros de luxo e R$ 400 mil em dinheiro. O modo de operação dos criminosos era simples: eles recebiam dinheiro real das vítimas com a promessa de converter o montante em “moeda virtual” – o que, na prática, não acontecia.

Segundo o coordenador de Repressão a Crimes contra o Consumidor, Ordem Tributária e Fraudes (Corf), delegado Wisllei Salomão, a Polícia Civil ainda procura identificar todas as vítimas do esquema. Para isso, é importante que as pessoas que investiram no Kriptacoin se apresentem.

“O importante é que as vítimas registrem ocorrência na delegacia próxima à sua casa, noticiem o que sofreram, para tentar ser ressarcidas em algum tipo de valor”, diz Salomão.

As investigações continuam em andamento, porque a Polícia Civil e o Ministério Público ainda tentam descobrir novas pessoas envolvidas. O promotor de Defesa do Consumidor do MP, Paulo Binicheski, diz que é preciso avaliar se os outros operadores do Kriptacoin agiam de má-fé, ou se também eram lesados pelos líderes do esquema.

“A gente tem que individualizar as condutas, verificar se há um dolo [intenção] nesse sentido, se as pessoas sabiam que era uma pirâmide”, afirma.

g1


Compartilhar
Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Google Plus

Leia Também
Prefeito de Petrópolis, pede desculpa e diz que vai revogar lei do Dia do Servidor ‘Bonito Esteticamente’

Demora em associar ruído a submarino que desapareceu causa polêmica na Argentina

Anatel começa a bloquear celular pirata a partir de maio de 2018

Parceiro de Alceu Valença, cantor e compositor Tito Lívio morre aos 60 anos, em Olinda


Estudo aponta contaminação por cocaína no mar do litoral de SP

Estudo aponta contaminação por cocaína no mar do litoral de SP


Mega-Sena, ninguém acerta e prêmio acumula em R$ 60 mi

Mega-Sena, ninguém acerta e prêmio acumula em R$ 60 mi


Assembleia paulista aprova lei que facilita sujar nome de devedor

Assembleia paulista aprova lei que facilita sujar nome de devedor


Black Friday: veja os principais problemas dos últimos anos e listas de empresas mais reclamadas

Black Friday: veja os principais problemas dos últimos anos e listas de empresas mais reclamadas