Superinformado Notícias
Facebook
Twitter
Instagram

Reitor da UFSC é um dos presos na Operação Ouvidos Moucos

As investigações começaram a partir de suspeitas de desvio no uso de recursos públicos em cursos de Educação a Distância


quinta-feira, 14/setembro/2017
Reitor da UFSC é um dos presos na Operação Ouvidos Moucos

O reitor da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Luiz Carlos Cancellier de Olivo, é uma das sete pessoas presas pela Operação Ouvidos Moucos da Polícia Federal (PF), em cumprimento a mandados judiciais expedidos pela 1ª Vara da Justiça Federal em Santa Catarina. A operação foi deflagrada hoje (14) para desarticular uma organização criminosa que desviava recursos destinados a cursos da Educação a Distância da UFSC.

A UFSC, por meio de nota, informou que a instituição foi surpreendida com a prisão do reitor esta manhã. “Em razão da operação da Polícia Federal, executada na manhã desta quinta-feira, 14 de setembro, a Administração Central da UFSC manifesta que  foi tomada por absoluta surpresa com a condução do reitor Luiz Carlos Cancellier de Olivo, que no momento está acompanhado pelo Secretário de Aperfeiçoamento Institucional, Luiz Henrique Cademartori, na Superintendência da PF em Florianópolis”.

A nota de ainda que a vice-reitora, Alacoque Lorenzini Erdmann, está em missão no exterior e, por isso, o pró-reitor Rogério Cid Bastos assumiu interinamente a reitoria. A UFSC ressalta que a administração central da universidade tinha conhecimento dos procedimentos de apuração, conduzidos pela Corregedoria-Geral da UFSC, sobre supostas irregularidades ocorridas em projetos executados desde 2006 e que vinha agindo com “transparência e colaboração” para a apuração dos fatos.

“Sempre mantivemos a postura de transparência e colaboração, no sentido de permitir a devida apuração de quaisquer fatos de modo a atender as melhores práticas de gestão. Por fim, aguardamos mais informações sobre a operação da PF para apresentar à comunidade universitária e à sociedade os esclarecimentos devidos”, conclui a nota da UFSC.

A Operação Ouvidos Moucos, deflagrada PF em conjunto com Controladoria Geral da União e Tribunal de Contas da União, está executando sete mandados de prisão temporária, cinco de condução coercitiva e 16 de busca e apreensão, em endereços em Florianópolis, Itapema (SC) e Brasília. A operação policial tem como foco repasses que totalizam cerca de R$ 80 milhões.

“As investigações começaram a partir de suspeitas de desvio no uso de recursos públicos em cursos de Educação a Distância oferecidos pelo programa Universidade Aberta do Brasil (UAB) na UFSC”, diz a nota divulgada pela PF. Um dos alvos da ação dos policiais é um depósito de documentos ainda não analisados pelos órgãos de fiscalização localizado na região norte de Florianópolis, distante do campus da universidade.

De acordo com a PF, o nome da operação, Ouvidos Moucos, é uma referência à desobediência reiterada da administração da universidade aos pedidos e recomendações dos órgãos de fiscalização e controle.


Compartilhar
Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Google Plus

Leia Também
Preço da gasolina sobe pela 6ª semana seguida e atinge maior valor no ano, diz ANP

Polícia apreende carro de R$ 1,8 milhão com suspeitos de envolvimento com a moeda falsa

Ex médico se veste de mulher e atenta a própria vida

1,2 milhão de MEIs correm o risco de ter registro cancelado até dezembro


Cerco à Rocinha vai mobilizar 950 militares e dez blindados, anuncia Jungmann

Cerco à Rocinha vai mobilizar 950 militares e dez blindados, anuncia Jungmann


Será que a PF encontrou e filmou adega de vinhos de Joesley Batista?

Será que a PF encontrou e filmou adega de vinhos de Joesley Batista?


Coreia do Norte diz que pode testar bomba de hidrogênio no Pacífico; Trump chama Kim Jung-un de louco

Coreia do Norte diz que pode testar bomba de hidrogênio no Pacífico; Trump chama Kim Jung-un de louco


Mega-Sena, ninguém acerta as seis dezenas e prêmio vai a R$ 35 milhões

Mega-Sena, ninguém acerta as seis dezenas e prêmio vai a R$ 35 milhões



CFW Agência de Internet