Superinformado Notícias
Facebook
Twitter
Instagram

Um dia após renúncia, Cunha volta a operar e envia orientações via WhatsApp

Em grupo de rede social do PMDB, ele defende apoio a nome do centrão para lhe suceder


sábado, 09/julho/2016
Um dia após renúncia, Cunha volta a operar e envia orientações via WhatsApp

Tão logo oficializou sua renúncia ao cargo de presidente da Câmara, o deputado afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) recomeçou a operar para influenciar na eleição de seu sucessor. Em troca de mensagens em rede social com deputados do PMDB, fez recomendações, traçou cenários e até alertou para o risco de a permanência do interino Waldir Maranhão (PR-MA) dificultar a vida do presidente interino Michel Temer, com o encaminhamento do processo de impeachment contra ele, em andamento na Casa.

Cunha é um dos que defendem que o PMDB não indique candidato para sua sucessão e apoie um nome vindo do chamado centrão, grupo de partidos médios sobre o qual ainda exerce influência política. No PMDB, entre os vários nomes cogitados, o único que já confirmou candidatura foi o ex-ministro da Saúde do governo Dilma, Marcelo Castro (PI), um desafeto do ex-presidente da Câmara.

Para Cunha, a chance de a presidência da Câmara voltar ao PMDB é remota. Segundo ele, o centrão e legendas de oposição não deixarão o partido ocupar novamente a cadeira. “Temos uma condição diferente hoje por termos o presidente da República. Difícil ter Senado, Câmara e presidência em um único partido. São remotas as chances de aceitarem isso”, escreveu Cunha em uma das mensagens.

A discussão no grupo de conversa do PMDB, segundo alguns deputados, começou após Cunha enviar uma mensagem sobre o risco que Temer corre de sofrer um “golpe” orquestrado por Maranhão para acelerar o processo de impeachment contra o presidente interino, em curso na Câmara.

ORIENTAÇÕES AOS DEPUTADOS

De acordo com a mensagem de Cunha, a saída para evitar a artimanha de Maranhão seria marcar a eleição do novo presidente já para o início da próxima semana. “Marcar segunda não é ruim, porque obriga a resolver”, escreveu Cunha, alertando os correligionários para o risco de retardar a data: “Perde-se mais uma semana, a última, e dá margem ao golpe que querem fazer de aceitar o impeachment de Michel”.

 

Fonte: O Globo


Compartilhar
Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Google Plus

Leia Também
Você está falando o nome do novo iPhone do jeito errado

Pesquisadores da UFMG testam vacina contra a cocaína

Única mulher a bordo do submarino argentino desaparecido é oficial pioneira

Homem é detido correndo pelado no Centro de São Carlos


Mega-Sena pode pagar R$ 33 milhões neste sábado

Mega-Sena pode pagar R$ 33 milhões neste sábado


Governo federal vai suspender a abertura de novos cursos de medicina, diz MEC

Governo federal vai suspender a abertura de novos cursos de medicina, diz MEC


Casal morre por asfixia dentro de carro e corpos são encontrados nus em MT

Casal morre por asfixia dentro de carro e corpos são encontrados nus em MT


Morre o ex-poderoso chefão da máfia siciliana Toto Riina, diz imprensa

Morre o ex-poderoso chefão da máfia siciliana Toto Riina, diz imprensa