Superinformado Notícias
Facebook
Twitter
Instagram

Youssef e Cerveró passarão festas de fim de ano fora da carceragem da PF

Ambos serão monitorados por tornozeleira eletrônica e escolta policial.


sexta-feira, 18/dezembro/2015
Youssef e Cerveró passarão festas de fim de ano fora da carceragem da PF

O doleiro Alberto Youssef e o ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró, que estão presos pela Lava Jato, na carceragem da Polícia Federal (PF), em Curitiba, vão comemorar as festas de fim de ano longe das grades e perto das famílias. Conforme a defesa de ambos, a saída temporária está prevista nos acordos de delação premiada firmados com a Justiça.
Durante o período, que será entre os dias 23 de dezembro e 2 de janeiro, os dois serão monitorados por tornozeleira eletrônica e por escolta policial.
O ministro Teori Zavascki, do STF, homologou o aditamento no acordo de delação de Youssef na quarta-feira (16). Esse aditamento, feito pela Procuradoria Geral da República (PGR), prevê o benefício da saída de fim de ano da prisão para o doleiro. Cabe ao juiz Sérgio Moro, que é responsável pelos processos da Lava Jato na primeira instância, dar efetividade à decisão, ou seja, liberar Alberto Yousseff conforme os termos do acordo.

Youssef na quarta-feira (16). Esse aditamento, feito pela Procuradoria Geral da República (PGR), prevê o benefício da saída de fim de ano da prisão para o doleiro. Cabe ao juiz Sérgio Moro, que é responsável pelos processos da Lava Jato na primeira instância, dar efetividade à decisão, ou seja, liberar Alberto Yousseff conforme os termos do acordo.

O doleiro é considerado o líder do esquema deflagrado pela Lava Jato e está preso desde março de 2014, quando foi deflagrada a operação. Ele já foi condenado em pelo menos oito ações penais que somam mais de 30 anos de prisão.

No dia 27 de novembro, o STF rejeitou, por unanimidade, um pedido apresentado por Erton Medeiros Fonseca, diretor afastado da Galvão Engenharia e investigado no escândalo de corrupção da Petrobras, para anular o acordo de colaboração de Youssef na Operação Lava Jato e as provas colhidas a partir de suas declarações.

Durante a sessão, os ministros consideraram que os relatos feitos numa delação são insuficientes para condenar uma pessoa e, por isso, o acordo não poderia ser contestado por ela. “O acordo de colaboração, como negócio jurídico personalíssimo, não vincula o delatado e não atinge diretamente sua esfera jurídica”, afirmou ministro Dias Toffoli, relator do caso.

Nestor Cerveró está detido desde janeiro deste ano. Ele teve o acordo de delação homologado pela Justiça recentemente e já foi condenado a 17 anos de prisão.

Nesta quinta-feira, trechos da delação de Cerveró sobre os possíveis pagamentos de propina aos senadores Renan Calheiros (PMDB), Jader Barbalho (PMDB) e Delcídio do Amaral (PT) vieram a público.

O ex-diretor disse aos procuradores que investigam os desvios de dinheiro da Petrobras que intermediou os pagamentos.

Cerveró disse ainda que se comprometeu a repassar US$ 2,5 milhões ao senador Delcídio do Amaral, por diversos contratos firmados na área internacional da Petrobras. Ele também afirmou que ajudou a destinar US$ 6 milhões de propina para Renan Calheiros e Jader Barbalho.

Entre os contratos suspeitos está a construção de navios-sonda e a compra da refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos, durante o governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Cerveró disse também que mantinha proximidade com Delcídio desde quando o senador trabalhava na Petrobras. Durante o governo de Fernando Henrique Cardoso, Delcídio chegou a ocupar a diretoria de Gás e Energia. Segundo o delator, o senador recebeu propina em pelo menos dois contratos firmados entre multinacionais e a estatal brasileira.

O senador Renan Calheiros nega a imputação e reitera que suas relações com empresas públicas ou privadas nunca ultrapassaram os limites institucionais. Já a defesa do senador Delcídio Amaral afirmou que não vai se manifestar. A assessoria de imprensa de Jader Barbalho informou que o senador não vai se pronunciar por enquanto.

 

g1


Compartilhar
Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Google Plus

Leia Também
Lula irá a Porto Alegre nesta terça-feira, diz Gleisi Hoffmann

Sisu 2018 vai abrir inscrições à 0h desta terça, diz MEC

Decreto autoriza Nubank a virar banco

PF diz que uso de algemas nos pés e nas mãos de Cabral foi para garantir a segurança do próprio preso, dos policiais e de terceiros


Operadoras bloquearam 1,6 milhão de celulares em 2017, número recorde

Operadoras bloquearam 1,6 milhão de celulares em 2017, número recorde


Olivia Lua, atriz pornô de 23 anos, morre em clínica de reabilitação nos EUA

Olivia Lua, atriz pornô de 23 anos, morre em clínica de reabilitação nos EUA


5 bilionários brasileiros concentram mesma riqueza que metade mais pobre no país, diz estudo

5 bilionários brasileiros concentram mesma riqueza que metade mais pobre no país, diz estudo


Concursos: pelo menos 16 órgãos abrem inscrições nesta segunda para preencher 2,4 mil vagas

Concursos: pelo menos 16 órgãos abrem inscrições nesta segunda para preencher 2,4 mil vagas