Superinformado Notícias
Facebook
Twitter
Instagram

“Transformar Pinhão em um polo regional”

E é uma cidade que nos interessa devido à evolução e por ter um bom público do interior


quinta-feira, 17/dezembro/2015
“Transformar Pinhão em um polo regional”

Em entrevista exclusiva ao FATOS DO IGUAÇU, o diretor superintendente do Grupo Superpão, Luiz Mauricio Hyczy, frisou: “queremos transformar Pinhão em um polo regional”. Também contou que assumirão os dois Supermercados Araucária em janeiro e que estão vindo para somar com uma estratégia de mercado competitiva. Querem segurar o consumidor pinhãoense na sua cidade e atrair clientes das cidades vizinhas. Confira outras declarações:

LUIZ MAURICIO HYCZY: Pinhão é uma cidade próxima da sede principal da empresa, que é em Guarapuava e devido a essa proximidade e por outras facilidades como estar na rota da nossa logística e distribuição para as outras lojas como a de Entre Rios, União da Vitória e Caçador. E é uma cidade que nos interessa devido à evolução e por ter um bom público do interior, da agricultura, que vem se fortalecendo, tudo isso nos fez olhar de uma forma diferente.

F.I.: Quando iniciaram as negociações com o Supermercado Araucária?

L.M.H.:Em outras oportunidades tivemos prospectando, mas não deu certo. A nossa intenção era até comprar um terreno e construir, mas as coisas foram se encaminhando e há oito meses começamos as negociações com o Araucária e com o tempo, acabamos nos entendendo. Houve interesse de ambas as partes.

F.I.: Acha que será um desafio esse novo empreendimento?

L.M.H.:É uma responsabilidade muito grande, temos que fazer as lojas de Pinhão darem certo e, principalmente, ajudar no processo de transformar o município em um polo regional. Assim, ganhará força no seu desenvolvimento e crescimento comercial, aumentando emprego e renda. É muito sério esse nosso papel, que Deus nos dê saúde para enfrentar o desafio.

F.I.: Com os dois supermercados de Pinhão, passam a somar quantas lojas?

L.M.H.:No mês de janeiro vamos assumir as lojas de Pinhão, aliás, o negócio está certo e não tem como voltar trás, até os funcionários já estão sabendo. No mesmo mês também inauguramos mais uma em Guarapuava, no antigo Bodegão. Então, somaremos 20 supermercados. Nas cidades de Guarapuava, Pitanga, União da Vitória, Ivaiporã, Ponta Grossa, na catarinense Caçador e, agora, Pinhão.

F.I.: Qual será a estratégia de mercado? Bons preços?

L.M.H.:Estamos indo para desenvolver junto com a cidade, crescer junto. A nossa estratégia de trabalho é focado em preço. Como existe uma certa evasão de clientes para compras em Guarapuava, vamos fazer o máximo possível com preços competitivos para segurá-los dentro do Pinhão. E trabalhar para trazer gente dos municípios próximos, queremos que venham fazer suas compras no Pinhão, invertendo o processo, ao invés de perder clientes, vamos fazer um polo regional. Além das compras no supermercado, tem o sorvete, o almoço, o lanche, farmácia, combustível, móveis, eletros, uma cadeia que movimenta. Assim, o município pode gerar emprego e renda.

F.I.: Querem atrair os clientes de quais municípios?

L.M.H.:Reserva do Iguaçu, Mangueirinha, Bituruna. E, também, de Entre Rios, porque muitos moradores das colônias têm propriedades aqui e estão sempre de passagem.

F.I.: Vão fechar por um tempo para reforma?

L.M.H.:Não. Vamos receber as lojas no final de semana e faremos os procedimentos necessários no domingo. Na segunda já atendemos normalmente. No dia 17 de janeiro assumimos o Araucária da Rua Francisco Dellê e, na outra semana, dia 24, o Araucária da avenida Trifon.

F.I.: Os atuais funcionários vão permanecer?

L.M.H.:Todos permanecem. Só não vão ficar os que não quiserem. Em um primeiro momento, vamos conduzir as coisas como estão e, gradativamente, reformando e adaptando, ponto a nossa cara. Primeiro uma loja e depois a outra. Depois que estiver tudo pronto vamos inaugurá-las.

F.I.: Há a possibilidade de contratar mais colaboradores?

L.M.H.:A intenção é contratar mais pessoas além do quadro normal já existente.

F.I.: O que os supermercados terão de diferencial?

L.M.H.:Levaremos mais variedade, será mais sortido. Mais opções de produtos e marcas para os clientes, além dos preços competitivos. Como nos deparamos com o tamanho limitado das lojas, vamos tentar otimizar o máximo, no sentido que se tornem mais atrativos. Devido ao espaço não poderemos colocar, por exemplo, farmácia, lanchonete, restaurante.

F.I.: Já tem uma data para inauguração?

L.M.H.:Ainda não. Não temos data provável de inauguração porque dependemos de várias situações, mas será durante o ano de 2016.

Fatos do Iguacu


Compartilhar
Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Google Plus