Superinformado Notícias
Facebook
Twitter
Instagram

Filipinho dá show, bate Jordy Smith na final e completa dobradinha em Trestles

Silvana Lima é campeã entre as mulheres, encerrando jejum de sete anos sem títulos na elite.


sexta-feira, 15/setembro/2017
Filipinho dá show, bate Jordy Smith na final e completa dobradinha em Trestles

No lugar onde surgiu o termo “Brazilian Storm”, a tempestade verde e amarela varreu a praia em Trestles. O Brasil nunca havia vencido ali na elite, porém, Filipe Toledo e Silvana Lima trataram de mudar os rumos da história. A final entre os homens foi um duelo de titãs. De um lado, estava Filipinho, unanimidade em ondas pequenas e médias, exímio aerealista, inovador e local no pico desde que deixou Ubatuba (SP) para viver com a família em San Clemente, nos Estados Unidos. Do outro, o sul-africano Jordy Smith, em sua terceira final consecutiva no local, franco favorito e atual líder do ranking. Filipinho variou em um repertório progressivo e não deixou Jordy respirar para alcançar a incontestável vitória, completando a inédita dobradinha do Brasil pouco depois de Silvana Lima bater Keely Andrew na final feminina.

A vitória na Califórnia foi a segunda de Toledo nesta temporada, depois de Jeffreys Bay, na África do Sul. O paulista subiu dois degraus no ranking e agora agora o top 7 do mundo, com 34.450 pontos. Apesar do revés, Jordy Smith (45,850) manteve a lycra amarela de número um e está a 2.450 pontos de distância do vice-líder John John Florence (43,400). Quinto colocado em Trestles, Adriano de Souza (34,850) permaneceu em sexto, e Gabriel Medina (30,750) caiu para oitavo.

– Finalmente o título aqui saiu. É um sentimento incrível, com essas ondas maravilhosas. Foi um evento louco e eu estou muito feliz em conquistar esse título com a minha família aqui, mesmo porque tem um segundo bebê a caminho. O mar ficou um pouco mais baixo nesse fim, mas eu consegui achar as melhores ondas. Estou muito satisfeito por ter sido campeão duas vezes esse ano – disse Filipinho em uma entrevista para a WSL.

Silvana Lima também pôs na mesa um surfe moderno. A única representante do Brazilian Storm na elite derrubou pelo caminho nomes de peso como as campeãs mundiais Stephanie Gilmore e Carissa Moore. Foi o melhor resultado de Silvana nesta temporada. A sua campanha encerrou um jejum de sete anos, desde 2010 em Lima, no Peru.

Duelo de titãs na final

Filipinho teve um começo avassalador em sua final e deixou o rival em combinação até os últimos 13 minutos de bateria. A estratégia de se manter ocupado, pegando onda atrás de onda, surtiu efeito. O 8.00 e o 7.67 colocaram o atleta em uma situação confortável na disputa decisiva. Aos poucos, o paulista ampliava a vantagem, enquanto Jordy adotou uma postura conservadora, aguardando o melhor momento para atacar. O sul-africano abriu mão de algumas das ondas surfadas por Toledo e demonstrou frieza para se manter paciente no line-up.

Jordy usou a prioridade a seu favor para investir em uma direita, combinando floaters, rasgadas e batidas para receber nota 9.00 e sair da combinação. Sentou-se e olhou para o horizonte, à espera de uma chance. No minuto final, uma calmaria no oceano foi limitando as possibilidades do sul-africano. Filipinho também precisou ter os nervos de aço e controlar a ansiedade até o cronômetro zerar. A missão era quase impossível, mas havia um sopro de esperança. A 10 segundos para o fim, o líder do ranking percebeu uma onda se formar e fez o drop já na contagem regressiva em busca do 6.67. Nervoso, se desequilibrou, foi engolido pelo mar e deixou o caminho livre para Filipinho.

Um dia memorável para o país no lugar onde Brazilian Storm mostrou a que veio. Foi ali, em 2011, que a talentosa geração do surfe brasileiro assombrou o mundo no QS Prime. Na ocasião, a vitória foi de Miguel Pupo. Medina também conquistou um troféu em 2012, e Filipinho foi bicampeão pelo QS, em 2015 e 2016. Nesta sexta-feira, ele finalmente conquistou o título tão esperado e tornou-se o primeiro brasileiro a vencer em Trestles na elite.

Depois dos Estados Unidos, as três paradas restantes do Tour são Hossegor, na França, Peniche, Portugal, e o Pipeline Masters, palco da derradeira de 11 etapas do Circuito Mundial de 2017.

Final:

Jordy Smith (AFS) 9.80 x Filipe Toledo (BRA) 15.67

Semifinais:

1: Adrian Buchan (AUS) 10.17 x Jordy Smith (AUS) 14.33
2: John John Florence (HAV) 12.66 x Filipe Toledo (BRA) 14.90

Quartas de final:

1: Adriano de Souza (BRA) 15.30 x Adrian Buchan (AUS) 15.57
2: Frederico Morais (POR) 16.60 x Jordy Smith (AFS) 17.76
Abriram a sexta-feira:
3: Jeremy Flores (FRA) 13.80 x John John Florence (HAV) 14.84
4: Filipe Toledo (BRA) 15.26 x Kanoa Igarashi (EUA) 11.10

g1


Compartilhar
Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Google Plus

Leia Também
Caminhada da Natureza no Rio das Pedras acontece neste domingo

Em ponto de bala

Grupo de aventureiros quebram recorde latino-americano de Rope-Jump em Guarapuava, Pr

Maratona de Curitiba é neste final de semana


Corrida Noturna de Revezamento terá percurso de 15,9 Km

Corrida Noturna de Revezamento terá percurso de 15,9 Km


Pelo terceiro ano consecutivo, Guarapuava é campeã paranaense no bicicross

Pelo terceiro ano consecutivo, Guarapuava é campeã paranaense no bicicross


Popó cai, levanta, vence por pontos, e se emociona em despedida do boxe

Popó cai, levanta, vence por pontos, e se emociona em despedida do boxe


Próxima edição da Caminhada da Natureza será o Circuito Rio das Pedras

Próxima edição da Caminhada da Natureza será o Circuito Rio das Pedras