Superinformado Notícias
Facebook
Twitter
Instagram

Fim da onda do food truck leva empresários a se reinventarem

O número de food trucks em São Paulo caiu pela metade e quem continuou no setor, precisa mostrar que entende do trabalho.


domingo, 12/novembro/2017
Fim da onda do food truck leva empresários a se reinventarem

Não faz nem cinco anos que as ruas das grandes cidades foram invadidas pelos food trucks de todos os tipos e tamanhos. No entanto, nos últimos anos, o lucro começou a diminuir, o mercado saturou e os empresários do setor tiveram que se mexer para manter o faturamento.

É o caso do Raphael Correa, que tem um food truck de pizza. O publicitário largou a profissão em 2014 para montar o seu restaurante sobre rodas. Os primeiros dois anos foram bons, mas agora a situação piorou. “Comparado com o que tava sendo vendido no primeiro e segundo ano, as vendas caíram pela metade.”

Essa a queda de consumo foi geral e aconteceu por três razões: comer fora ficou mais caro e isso afastou os consumidores; a legislação não permite que o food truck circule, ou seja, venda comida em qualquer em por último, muita gente entrou no negócio sem preparo.  O resultado foi que a cidade de São Paulo, por exemplo, tinha 400 food trucks dois anos atrás. Em 2017, o número já tinha caído pela metade.

O Raphael foi buscar a solução nos eventos. Hoje, faz 12 por mês e fatura R$ 30 mil. Ele aprendeu a trabalhar oferecendo o que o mercado quer: a embalagem, por exemplo, é prática, para quem come de pé, a massa é pré-assada e ele leva para o evento já tudo em porções. Com isso, o processo de montagem não demora mais que dois minutos. Em 5 minutos, no máximo, a pizza está na mão do cliente.

A consultora Sônia Sacramento explica que os eventos são mesmo uma boa oportunidade de fazer negócios

“No evento, o pessoal está mais disposto a gastar. A pessoa já vem pra passar um dia se divertindo, para conhecer as coisas nesse espaço cultural, por exemplo, e disposta a ficar mais tempo, já reserva um dinheiro para se alimentar e comer alguma coisa.”

Já para a empresária Marisabel Woodman, ter um food truck foi uma grande lição para montar um novo negócio.  Ela montou um food truck de comida peruana no auge da moda. O negócio “bombou” até que ela, percebendo a mudança do mercado, mudou também. Preferiu ir para um restaurante em um ponto fixo. Nos dois anos de atividade, Mari recuperou o investimento no food truck, lucrou e ainda juntou R$ 80 mil, que foram usados para abrir o restaurante.

A empresária levou para o novo negócio todo o know how do primeiro: cardápio aprovado pelos clientes e equipe já montada e treinada.

 

 

g1


Compartilhar
Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Google Plus

Leia Também
Coca-Cola lança nova bebida no Brasil

Clube da Carne promove curso de churrasco

Bistrô Vivere Parvo, um dos melhores restaurante do litoral

Wine.com.br comemora aniversário com  mais de 60 viagens para os fãs de vinho


Quanto custa comer nos 10 melhores restaurantes da América Latina de 2017

Quanto custa comer nos 10 melhores restaurantes da América Latina de 2017


Fogo de Chão leva clientes aos Estados Unidos

Fogo de Chão leva clientes aos Estados Unidos


Brasil vai ganhar segunda unidade do Hard Rock Cafe

Brasil vai ganhar segunda unidade do Hard Rock Cafe


Gigante de bebidas Codorníu transfere sede da Catalunha

Gigante de bebidas Codorníu transfere sede da Catalunha