Superinformado Notícias
Facebook
Twitter
Instagram

História, receita e cultura: 28 de junho, Dia Internacional do Ceviche

Prato de origem andina é considerado Patrimônio Cultural no Peru, país referência na elaboração e difusão do ceviche.


terça-feira, 28/junho/2016
História, receita e cultura: 28 de junho, Dia Internacional do Ceviche

Um prato tão simples quanto saboroso, que atravessou séculos, ganhando importância em vários países, tem um dia próprio para ser enaltecido. Em 28 de junho se comemora o Dia Internacional do Ceviche, uma iguaria de origem andina, que teve o primeiro registro feito há mais de 4 mil anos pelos povos que habitavam o Norte do Peru. País, aliás, que transformou o prato em orgulho nacional e é considerado Patrimônio Cultural.

 

Apesar de a receita original ter sido aperfeiçoada com o passar dos anos, a base do ceviche é essencialmente a mesma desde a sua criação: peixe branco de água salgada cru, com suco de alguma fruta cítrica, que acaba cozinhando o peixe por causa do ácido cítrico. Nos primórdios, o peixe era marinado em suco de tumbo ou curuba, um fruto nativo que se assemelha ao maracujá. “Ainda durante os tempos pré-colombianos foi acrescentada a pimenta aji, muito picante, hoje obrigatória no prato. O limão só veio a ser usado a partir do século XVI quando chegaram os espanhóis na região”, explica o chef Biba Fernandes, à frente dos restaurantes peruanos Chiwake e Chicama, que têm como carro chefe dos menus os ceviches.

 

O ceviche tem esse nome graças ao povo Inca. Diz-se que é derivado do Quíchua, língua indígena, e vem do “siwichi”, que significa peixe fresco. Há ainda a hipótese da palavra “cebo” também ser uma influência, já que significa “isca” ou cortes pequenos de peixe, como normalmente o peixe é servido no prato. Outra linha, considerada como oficial pelo governo peruano, é que o nome seja derivado do Árabe “sibesh”, ou seja, comida ácida, com base no fato de que mulheres mouriscas marinavam o peixe cru dos Incas em suco de laranja azeda.

 

Outra curiosidade é o “leite de tigre”, nome dado ao caldo que se forma a partir da marinada do peixe. Ele é considerado um poderoso fortificante, dando a força do animal a quem o toma. “No Peru, o caldo é usado para curar ressacas”, explica o chef Biba Fernandes, que ensina o passo a passo de como se fazer um autêntico ceviche.

 

INGREDIENTES

 

200g de filé de lombo de robalo (ou peixe branco sem muita fibra)

6 limões (suco)

Pitada de sal

Pitada de coentro

Pimenta dedo de moça a gosto

4 pedras de gelo

½ batata doce cozida e cortada em rodelas

50g de milho verde

½ cebola pequena cortada em rodelas

 

PREPARO

 

O preparo é simples. Basta triturar no liquidificador o suco de limão, coentro, a pimenta e o gelo. Depois, é só coar e, com o líquido, marinar o peixe e a cebola por cinco minutos. O filé deve estar cortado em cubos de aproximadamente um centímetro. Caso o molho fique muito ácido, é só colocar um pouco de caldo de peixe frio (10 ml). Em um prato fundo, coloque o peixe, um pouco do caldo e decore com o milho verde e a cebola. Para as pessoas que gostam de um tempero mais marcante, pode-se colocar uma pitada de tempero pronto.


Compartilhar
Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Google Plus

Leia Também
O MasterChef Ivo Lopes e Chef guarapuavano servem jantar exclusivo em Pato Branco

Pizza gigante com 64 pedaços faz sucesso em pizzaria ‘especialista em exagero’

Chefs de cozinha participam de feira de degustação em Foz do Iguaçu

Fim da onda do food truck leva empresários a se reinventarem


Coca-Cola lança nova bebida no Brasil

Coca-Cola lança nova bebida no Brasil


Clube da Carne promove curso de churrasco

Clube da Carne promove curso de churrasco


Bistrô Vivere Parvo, um dos melhores restaurante do litoral

Bistrô Vivere Parvo, um dos melhores restaurante do litoral


Wine.com.br comemora aniversário com  mais de 60 viagens para os fãs de vinho

Wine.com.br comemora aniversário com mais de 60 viagens para os fãs de vinho