Superinformado Notícias
Facebook
Twitter
Instagram

Influencia Cristã na Gastronomia Ocidental


quinta-feira, 17/janeiro/2013
Influencia Cristã na Gastronomia Ocidental

Desde a maçã, até a Santa Ceia, onde se degustou pão, cordeiro e vinho, seguindo pelas vigílias eclesiásticas, os alimentos, bem como sua preparação, tiveram um grande significado que se mantém até nossos dias.

A inter-relação entre a comida e sua simbologia gerou, nos últimos 21 séculos, incontáveis consequências, nem sempre leves, como o aparecimento do protestantismo, em parte por causa da negação de países do Norte de prescindir da carne nos dias de abstinência. O judaísmo anterior ao cristianismo contava com um sem-fim de restrições alimentares que foram refutadas no cristianismo. Uma voz divina anunciou a São Pedro esta mensagem: “Todos os animais que povoam a Terra – se correrem, voarem ou nadarem – estão à disposição do homem e lhe servirão de alimento”. Porém, imediatamente, os padres da igreja tomaram consciência de que o caminho que conduz à espiritualidade passa pelo controle das paixões; então, deram início ao catálogo de regras e restrições severas com penitência, abstinência de carne, jejuns, vigílias, quaresmas temporárias, advento… Definitivamente, um penoso rosário de limitações gastronômicas, impostas a quem já tinha bastante com quem se preocupar – por razões de pura sobrevivência -, a fim de moldar o espírito, segundo eles licencioso se se entregassem desmesuradamente aos prazeres da mesa. E como quem criou a regra, criou a exceção, foram criadas as bulas, documentos comprados da Igreja por polpuda quantia de dinheiro para se dispensar de tais preceitos e limitações alimentares.


Existia todo um mundo de tramoias ao redor das bulas – vendida nas ruas por buleiros -, que, na realidade, eram impostos mascarados que iam para os cofres da Igreja e da Fazenda Real.
O Papa Alexandre II promulgou a primeira bula em 1.064, conhecida como Bula da Cruzada. Em troca de dinheiro podia-se obter uma bula, ou diploma pontifício, que outorgava uma série de privilégios, indulgências e graças especiais; uma das mais valorizadas era a que permitia evitar as proibições de jejum e da abstinência. O que se arrecadava com as bulas subvencionava exércitos e nobres que participavam das Cruzadas.
Outra bula foi a da Santa Cruzada, outorgada aos Reis Católicos em 1.482. Foi um induto exclusivo com o qual se custeou a guerra de Granada contra os Árabes. Os recebiam em nome da Igreja. Essa bula foi extinta no Concílio Vaticano II, em meados do século XX, mas, como é lógico, já não era utilizada.


Foi em 325, no Concílio de Nicéia, convocado por Constantino o Grande, que se estabeleceu oficialmente o período quaresmal, em referência aos quarenta dias que Jesus Cristo passou no deserto orando e jejuando. Antes desse concílio não existia uma norma generalizada. Em um primeiro momento, o jejum quaresmal consistia em uma única refeição ao pôr-do-sol, após a eucaristia (como o ramadã atual dos mulçumanos). Essa refeição contava com apenas verduras, legumes, pão, gordura somente de origem vegetal e água. Posteriormente, a Igreja incluiu dias de abstinência de carne, foram estabelecidos os jejuns de vigília, que consistiam em jejuar no dia anterior às principais festas religiosas; os jejuns de advento, que obrigavam a jejuar às quartas-feiras, o que mais tarde seria às sextas; e também às quartas, sextas e sábados das quatro têmporas, que coincidem com as quatro semanas do ano mais próximas às mudanças de estações. Dessa forma, existe a têmpora de dezembro (Advento), a de março (Quaresma), a de verão (oitava de Pentecostes) e a de setembro (a festividade de São Lourenço). Esse complexo calendário aumentava segundo exceções e características do país, época, bulas ou indutos, idade dos fiéis, estado de saúde e considerações de índole teológica. Assim, estavam isentos cozinheiros e boleiros, porque deviam provar os alimentos, os cristãos que transitassem por terras de infiéis, os prisioneiros que estivessem remando em galeras, os pregadores que pregassem diariamente – se pregassem três ou quatro vezes, então tinham de jejuar, sim -, os que padecessem de “fraqueza no estômago” (certificada por um médico); definitivamente, um grande número de observações e exceções.
Alguns personagens abandonaram o mundo para buscar a perfeição espiritual por meio de jejuns. Reunindo-se, começaram a criar pequenos grupos monaicais, no início bastante extravagantes, até mesmo vistos com receio pela hierarquia romana, como os anacoretas, fossem estilistas, estacionários ou monges-pastores, dependendo de suas singularidades (se viviam nas árvores, se dormiam em pé etc), porem, todos eles tinham algo em comum – a privação de alimentos. Esse costume mudou com o tempo, e nos mosteiros, bem como nos conventos, a alimentação era regular e adequada, às vezes até excessiva; o próprio Afonso X, o Sábio, sentiu necessidade de intervir devido à indignação popular em relação à gula excessiva de alguns sacerdotes, bem como sua gordura. Em sua obra As setes partidas, pede às comunidades monásticas temperança e sensatez no consumo de bebidas e alimentos. Há o caso de Santo Tomás de Aquino, que, por ser corpulento, teve de aguentar alguns comentários maldosos; era acusado de comer muito, ao que o santo respondia: “Muito menos come uma moranga, e, apesar disso, engorda mais e em menos tempo que eu”.


Pouco a pouco, as normas de alimentação foram sendo introduzidas na vida dos cristãos, adaptadas aos alimentos de que dispunham, e, com isso, produziu-se uma gastronomia própria da comunidade cristã, afastada, às vezes, daquela dos Papas, pelo menos na prática. O leite de amêndoas, de origem árabe, difundiu-se rapidamente pela Europa por meio da Itália e da Espanha e na cozinha substituiu o de vaca, que não podia ser tomado em dias de abstinência; o óleo substituiu a manteiga; e o peixe, a carne.

Há um curioso caso de um prato que agora é reconhecido como de origem japonesa, o tempurá(vegetais cobertos de farinha e fritos), atribuído a uma preparação realizada in tempore quaresmae, chamada assim pelos jesuítas, que levaram a receita para o Oriente; daí o nome tempurá, mantido na “Terra do Sol Nascente”. À Espanha regressou por meio das irmãs Clarissas, como consta no livro A cozinha monacal: “Trata-se de uma receita trazida a este mosteiro de Santa Clara de Arneto por uma freira japonesa, membro de nossa comunidade”.
Alguns alimentos gozam de excepcional simbolismo dentro do cristianismo, como o vinho, o pão e o azeite de oliva, mas, curiosamente, este último foi, durante séculos, símbolo na cozinha dos não-cristãos, pois os cristãos preferiam cozinhar com toucinho e manteiga, enquanto árabes e judeus o faziam como óleo vegetal, visto que não podiam comer carne de porco e tampouco seus derivados. Essa diferença foi substancial nas refeições dessas comunidades, a tal ponto que se dizia, na idade média, que pelo cheiro do ensopado sabia-se a religião da família.
O pão, sacralizado por Jesus Cristo, que o transubstanciou em seu próprio corpo foi durante séculos um alimento sagrado, que quando caía no chão era beijado; não podia ser jogado fora. Fazia-se o sinal-da-cruz com aponta da faca no pão antes de pegá-lo e era abençoado a cada dia na mesa antes de ser consumido. “O pão nosso de cada dia nos daí hoje”, diz a oração mais significativa do catolicismo: o Pai-Nosso. A hóstia, utilizada na liturgia eucarística, e que deve ser feita, necessariamente e exclusivamente de farinha de trigo sem fermentar, assim como aquele outro pão que Jesus Cristo e seus apóstolos comeram durante a Santa Ceia, elaborado sem levedura, como prescrevia a lei judaica, uma norma rigorosa para a Igreja e certamente polêmica. Em outubro de 1.995, a Congregação para a doutrina da Fé, presidida por Joseph Ratzinger, atual Papa Bento XVI, opôs-se à ordenação de futuros sacerdotes com doença celíaca; o motivo é que a intolerância ao glúten, um dos componentes do trigo, os impediria de ingerir a hóstia eucarística sem pôr em risco sua saúde.


Era o tal gosto pelo pão branco (o de trigo), que os homens mais pios da Igreja às vezes renunciavam a comê-lo como penitência. Esse foi o caso do monsenhor Gregório, bispo de Langres, que adquiriu o costume de comer pão de aveia, considerado o pior de todos.
O vinho e a videira, citados em até 450 ocasiões na Bíblia, adquiriram no cristianismo uma grande importância. Na Santa Ceia, apontando sua taça de vinho, Jesus disse: “Este é o meu sangue, o sangue da nova e eterna aliança que será derramado por vós”; por esse ato, o vinho tornou-se um símbolo importante da liturgia cristã.
O vinho, e seu consumo moderado, foi motivo de polêmicas e reflexões ao longo dos séculos na Igreja. Neste sentido, a regra de São Bento, que serviu de referência a outras organizações, aconselhou o consumo de 0,27 litro por refeição, aproximadamente um copo de vinho, o que não é muito se levarmos em conta que a média de consumo na Idade Média oscilava entre um e quatro litros por dia / pessoa, mas misturado com água. No caso dos conventos, porém, a quantidade era muito menor: sabe-se que São Leandro, em regra escrita para a comunidade de sua irmã Florentina, aconselhava a abstinência entre as freiras saudáveis e, se estivessem um pouco doentes, poderiam tomar uma pequena quantidade como tônico.


A utilização do vinho, por seus efeitos medicinais, foi difundida pela Igreja. O padre Feijoo (iluminista do século XVIII) aconselhava-o principalmente na Quaresma, em seu livro Teatro crítico universal: “Quem não costuma beber vinho, ou muito pouco em tempo carnal, bebendo um pouquinho de vinho, ou um pouco mais que o costume em tempo de Quaresma, poderá suportar melhor a frieza e umidade dos alimentos quaresmais. Ainda, aquele que em todo tempo tem como bebida regular o vinho, conseguirá o mesmo efeito usado em tempo de Quaresma de vinho mais generoso”.
A duração das orações também servia como controle de tempo de cocções de assados; assim, um ovo era cozido no espaço de tempo em que se rezava um Pai-Nosso, enquanto um assado podia ser feito enquanto se rezava um rosário. Ao mesmo tempo em que se cozinhava, orava-se, corroborando o que dizia Santa Tereza de Jesus: “Deus está até nos ensopados”.

Makelle Oliveira Dalla Rosa

 

 


Compartilhar
Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Google Plus

Leia Também
Fim da onda do food truck leva empresários a se reinventarem

Coca-Cola lança nova bebida no Brasil

Clube da Carne promove curso de churrasco

Bistrô Vivere Parvo, um dos melhores restaurante do litoral


Wine.com.br comemora aniversário com  mais de 60 viagens para os fãs de vinho

Wine.com.br comemora aniversário com mais de 60 viagens para os fãs de vinho


Quanto custa comer nos 10 melhores restaurantes da América Latina de 2017

Quanto custa comer nos 10 melhores restaurantes da América Latina de 2017


Fogo de Chão leva clientes aos Estados Unidos

Fogo de Chão leva clientes aos Estados Unidos


Brasil vai ganhar segunda unidade do Hard Rock Cafe

Brasil vai ganhar segunda unidade do Hard Rock Cafe