Superinformado Notícias
Facebook
Twitter
Instagram

Fisioterapeuta guarapuavano que se passava por médico é preso, suspeito de fraude no DPVAT


segunda-feira, 07/dezembro/2015
Fisioterapeuta guarapuavano que se passava por médico é preso, suspeito de fraude no DPVAT

Quatro pessoas foram presas nesta segunda-feira (7), nos municípios de Guarapuava, Ponta Grossa e Curitiba, suspeitas de participar de uma quadrilha que fraudava indenizações do seguro obrigatório de Danos Pessoais Causados por Veículo Automotor (DPVAT). Segundo a Polícia Civil, um dos envolvidos no esquema é um médico.

 

Esta foi a segunda fase da Operação Fraus, deflagrada no começo de novembro. As investigações apontaram que o médico vendia falsos laudos para uma empresa que intermediava recebimentos do DPVAT. Além dele, um fisioterapeuta e dois funcionários de hospitais de Curitiba foram detidos. O fisioterapeuta é suspeito de se passar por médico para emitir laudos falsos.

 

Segundo a polícia, os dois trabalhavam para uma empresa que abordava vítimas de acidentes de trânsito assim que saíam do hospital. A empresa Prontidão oferecia o serviço de intermediação, mas ficavam com a maior parte das indenizações, que podem chegar a R$ 13,5 mil, em caso de morte.

 

A polícia descobriu que a empresa chegava a fraudar boletins de ocorrência para garantir o pagamento do seguro às pessoas. No entanto, eles cobravam até 30% do valor que as vítimas tinham a receber do governo.

 

“O médico e o fisioterapeuta efetuavam as consultas médicas sem a presença dos pacientes. Então, a gente tem várias versões das vítimas, no sentido de que não foram consultadas por médicos”, explica o delegado Matheus Laiola, que investiga o caso.

 

Para descobrir quem eram os pacientes que necessitavam do DPVAT, a Prontidão contava com a ajuda dos funcionários dos hospitais. No celular de um dos detidos, que trabalhava no Hospital Evangélico de Curitiba, a polícia encontrou mensagens de texto com os nomes dos pacientes.

 

Um dos funcionários detidos também confessou o crime. “Eu ganha R$ 80,00, por nome que eles fechassem. Mais ou menos, em torno desses anos, eu creio que pode ter chegado a quase uns R$ 10 mil em todos esses anos”, disse.

 

As prisões foram feitas em caráter temporário, ou seja, têm prazo de cinco dias. Ao final do prazo, a Justiça pode estender por mais cinco dias ou transformar em regime preventivo, sem data para terminar.

 

Os advogados dos presos não foram localizados. Já o Hospital Cajuru, onde trabalhava um dos homens presos informou que não concorda com nenhuma prática ilícita e se colocou à disposição para colaborar com as investigações. O Hospital Evangélico, onde o outro funcionário atuava, também não retornou as ligações.

 

A Seguradora Líder, responsável pela liberação do DPVAT, lembrou que não é preciso contratar ninguém para conseguir a liberação do seguro. O pedido pode ser feito de graça, nas agências dos Correios e em vários agentes autorizados para receber as requisições. A documentação necessária para o pedido está disponível na página da seguradora.

g1


Compartilhar
Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Google Plus

Leia Também
Câmara deve votar cassação de Eduardo Cunha nesta segunda-feira

Secretaria de Habitação promove sorteio para contemplados com casas no Residencial 2000

Reitor e vice-reitor da Unicentro são reconduzidos aos cargos para novo mandato

Em cerimônia de formatura, jovens e adultos recebem diplomas de conclusão do EJA


Núcleo de Mecânica e Autopeças promove ação de conscientização sobre manutenção de veículos

Núcleo de Mecânica e Autopeças promove ação de conscientização sobre manutenção de veículos


Fazenda Canaã realiza manhã recreativa

Fazenda Canaã realiza manhã recreativa


Coral dos Anjos emociona multidão no Parque do Lago com mensagem de esperança e amor

Coral dos Anjos emociona multidão no Parque do Lago com mensagem de esperança e amor


Empresas vencedoras do MPE Brasil e Acig são homenageadas

Empresas vencedoras do MPE Brasil e Acig são homenageadas