Superinformado Notícias
Facebook
Twitter
Instagram

Governo reafirma decisão de descontar dias parados

MEDIDA É UMA ORIENTAÇÃO DA COMISSÃO DE POLÍTICA SALARIAL DO ESTADO e foi confirmada nesta quarta-feira pelo chefe da Casa Civil, Valdir Rossoni


quarta-feira, 15/março/2017
Governo reafirma decisão de descontar dias parados

O chefe da Casa Civil Valdir Rossoni confirmou que o Governo do Estado vai descontar os dias parados dos servidores públicos que mantiverem a greve iniciada nesta quarta-feira. Rossoni salientou que pode ser negociado o abono da falta do dia 15, desde que as categorias retomem imediatamente as atividades normais.
O anúncio foi feito durante reunião com dirigentes da APP-Sindicato, no Palácio Iguaçu. “Não vamos abrir mão de descontar a falta”, disse o secretário. “O governo não aceita greve por tempo indeterminado e os pais não concordam em pagar carga tributária tão alta e não contar com seus filhos em sala de aula”, afirmou Rossoni.
O secretário disse ainda que o governo estadual promoveu importantes avanços na educação nos últimos anos, que não são reconhecidos pelas lideranças sindicais, mas agora o momento exige cautela e responsabilidade dos gestores públicos. “O governo está correto em sua conduta. Investiu 34,5% da receita em educação, mais do que o mínimo constitucional”, lembrou o secretário.
PROMOÇÕES – Além da disposição em negociar o abono da falta desta quarta, o chefe da Casa Civil também abriu a possibilidade de negociação de um calendário para pagamento de promoções e progressões em atraso. Ele disse que todas as dívidas serão quitadas neste ano, mas pediu a participação dos servidores na discussão.
Outra situação que o governo se dispõe a avaliar é a reabertura do debate sobre a resolução que estabeleceu novos critérios para a distribuição de aulas extraordinárias. “É isso que o governo pode oferecer neste momento”, afirmou Rossoni.
Ele destacou que todas as questões que envolvem a remuneração, benefícios ou condições de trabalho dos servidores estaduais precisam passar pela Comissão de Política Salarial, formada pelos secretários da Casa Civil, Fazenda, Administração, Trabalho, da chefia de Gabinete do Governador e pela Procuradoria Geral do Estado. “Este comitê foi formado para que membros do governo não prometam o que não poderá ser cumprido”.
Rossoni reforçou o interesse do governo estadual em manter o diálogo aberto com os representantes do magistério e das demais categorias de servidores públicos. “Estamos sempre abertos para um diálogo responsável e construtivo. A valorização dos servidores é uma marca deste governo. No magistério, por exemplo, a evolução salarial chegou a 146% desde 2011, para uma inflação de 49%”.


Compartilhar
Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Google Plus

CFW Agência de Internet