Superinformado Notícias
Facebook
Twitter
Instagram

OAB Paraná irá sediar simpósio internacional de Direitos Humanos em agosto

De acordo com o presidente da Comissão de Direitos Humanos, Alexandre Salomão, a proposta da OAB Paraná é fomentar o debate entre as instituições


quarta-feira, 06/julho/2016
OAB Paraná irá sediar simpósio internacional de Direitos Humanos em agosto

A Comissão de Direitos Humanos da OAB Paraná e o Grupo de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário do Estado do Paraná (GMF) do Tribunal de Justiça (TJ-PR) irão promover nos dias 2 e 3 de agosto o I Simpósio Internacional de Direitos Humanos – “O Estágio Atual de Perigo dos Direitos Humanos nas Américas”. Os integrantes das instituições se reuniram na segunda-feira (4), na sede da Seccional, para definir a pauta de trabalho do evento. Estão previstas as participações do Secretário Executivo da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), Emilio Álvarez Icaza Longoria, e do coordenador do Departamento de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário (DMF) do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), juiz Luis Lanfredi.

De acordo com o presidente da Comissão de Direitos Humanos, Alexandre Salomão, a proposta da OAB Paraná é fomentar o debate entre as instituições que trabalham com a execução penal sobre a humanização do sistema penitenciário. “É preciso pensar em soluções para a situação caótica que temos hoje nos estabelecimentos prisionais no país”, explica.

“Hoje temos um grupo interinstitucional que trabalha para a implementação do projeto Cidadania nos Presídios, do CNJ, mas a imensa maioria dos integrantes do Ministério Público, da magistratura e da advocacia desconhecem o projeto e amplitude dele. Existem propostas de medidas práticas que sem a construção de novas unidades prisionais podem possibilitar a retirada de quase a totalidade dos presos em delegacias de polícia no estado hoje”, esclarece Salomão.  O projeto do CNJ deverá ser lançado no Paraná no dia 11 de agosto.

O desembargador Ruy Muggiati, integrante do grupo de trabalho interinstitucional pelo TJ, avalia que os problemas do sistema carcerário estão localizados na desarticulação e falta de planejamento. “Geralmente os problemas acontecem quando as soluções são feitas apenas para uma parte do problema, sem ver o todo. O sistema é como um navio, ele precisa navegar e funcionar de uma maneira adequada, ou seja, de acordo com as regras e princípios que estão na Lei de Execução Penal. Ele tem um coração, que é o tratamento penal. Isso não é para fazer privilégio de preso, pelo contrário, ele é uma ferramenta de segurança pública”, defende.

Muggiati sustenta que o tratamento penal oferece a garantia de que a pessoa que entrou no sistema sairá dele melhor, e que não voltará a cometer outros crimes. “Todas as pessoas entram no sistema com uma previsão de voltar à sociedade. Então é essencial que este tratamento se realize de maneira adequada e que o sistema possa dizer à sociedade que está fazendo a sua parte. Se isso não acontecer, temos a insegurança social”, diz.

“O sistema carcerário não pode se transformar numa escola do crime porque assim estaria sendo uma engrenagem de todo o ciclo de violência social. Há um investimento muito alto no sistema carcerário, então ele deve dar um retorno. Isso inclui as atividades de estudo e escola, as atividades de trabalho, principalmente de ocupação e de qualificação profissional, para que depois tenham condições de inserção no mercado de trabalho. E também os outros níveis e ações que são feitas desse tratamento, ligados à família do preso, a sua religião, alimentação, saúde, no sentido de que a permanência dele seja num ambiente humano, de promoção do ser humano. Se quisermos que uma pessoa se comporte como ser humano temos que tratá-la como tal”, sustenta o desembargador.

A reunião na OAB Paraná contou também com as presenças do vice-presidente da Comissão de Defesa das Prerrogativas Profissionais da Seccional, Gustavo Sartor; do Procurador da Seccional, Andrey Salmazo Poubel; do conselheiro estadual Emerson Fukushima; do presidente da Associação Paranaense dos Advogados Criminalistas, Danilo Guimarães Rodrigues Alves; do juiz estadual Augusto Gluszczak; do juiz estadual Eduardo Lino Fagundes Bueno; da assessora de Eventos, Comunicação Interna e Transportes da OAB Paraná, Daiane Oliveira; e Lucca Sazaki.


Compartilhar
Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Google Plus

Leia Também
Bernardo cumpre agenda em Guarapuava e região tratando de investimentos na Educação

Trem é atingido por deslizamento de terra na ligação entre Curitiba e o litoral do Paraná

Motorista que matou criança e invadiu casa em Guarapuava não tem CNH, diz PM

Caminhão atropela duas crianças na calçada e invade casa em Guarapuava; menino de 4 anos morreu


PRF apreende mais de R$ 240 mil em celulares de última geração

PRF apreende mais de R$ 240 mil em celulares de última geração


Obra de grande porte causa desvio no trânsito por vários dias

Obra de grande porte causa desvio no trânsito por vários dias


PRF apreende armamento escondido em Palio, na BR-277

PRF apreende armamento escondido em Palio, na BR-277


Homem contrata programa sexual, se depara com travestis e procura polícia por ‘extorsão’

Homem contrata programa sexual, se depara com travestis e procura polícia por ‘extorsão’