Superinformado Notícias
Facebook
Twitter
Instagram

Aliado de Justus fazia ‘saques a jato’ dos salários de servidores da Alep


quinta-feira, 12/março/2015
Aliado de Justus fazia ‘saques a jato’ dos salários de servidores da Alep

A investigação feita pelo Ministério Público (MP) sobre a rede de funcionários que o deputado estadual Nelson Justus (DEM) tinha no gabinete da Presidência da Assembleia Legislativa do Paraná (Alep), enquanto ocupou o cargo (de 2007 a 2010), mostra que muitos salários eram sacados no mesmo momento e pela mesma pessoa. A situação é indício, de acordo com a ação criminal enviada à Justiça, de que contratações de servidores serviam para alimentar um esquema de desvio de recursos públicos. O processo tramita em sigilo e as informações vieram à tona na noite desta quarta-feira (11) no telejornal Paraná TV, da RPC.

A movimentação bancária revelou ainda que Barbosa foi o responsável pelo preenchimento de 104 cheques de, pelo menos, cinco parentes dele, contratados como funcionários da Assembleia. Além disso, num único dia, ele sacou em espécie, na boca do caixa de uma agência bancária dentro do Legislativo estadual, R$ 88 mil referentes a 17 cheques de 17 correntistas diferentes, todos funcionários contratados por Justus. Os saques foram feitos no intervalo de 4 minutos. Em outro momento, pelo menos um cheque, no valor de R$ 2.720, pertencente à conta de um funcionário de Justus, foi parar na conta do ex-presidente da Assembleia.

A investigação da promotoria mostrou que quando Justus assumiu o mais alto posto da Assembleia, em 2007, o gabinete da presidência tinha 21 funcionários, ao custo mensal de R$ 83 mil em salários. Começou, então, um processo desenfreado de contratação de servidores. Em novembro de 2009, a despesa mensal com servidores no gabinete presidencial chegou a R$ 1 milhão. No período em que Justus foi presidente, 345 contratações foram feitas, nem todas simultaneamente. O gabinete chegou a ter, ao mesmo tempo, 180 funcionários – dez vezes mais do que o permitido. O gabinete da presidência é uma estrutura administrativa, sem função política, com previsão de ter, no máximo, 18 funcionários.

Na denúncia apresentada pelo MP, Justus e mais 31 pessoas são acusados de crimes de formação de quadrilha, peculato, falsidade ideológica e lavagem de dinheiro. Todas serão notificadas para apresentar defesa à Justiça.

Gazeta do POvo


Compartilhar
Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Google Plus

Leia Também
PRF apreende mais de R$ 240 mil em celulares de última geração

Obra de grande porte causa desvio no trânsito por vários dias

PRF apreende armamento escondido em Palio, na BR-277

Em Guarapuava, Bernardo Carli acompanha liberação de R$ 2,9 milhões para reforma de escolas


Homem contrata programa sexual, se depara com travestis e procura polícia por ‘extorsão’

Homem contrata programa sexual, se depara com travestis e procura polícia por ‘extorsão’


Pérola do Oeste doa alimentos arrecadados no natal para SOS

Pérola do Oeste doa alimentos arrecadados no natal para SOS


Homem que aplicou golpes em mercados da região é preso em Laranjeiras

Homem que aplicou golpes em mercados da região é preso em Laranjeiras


IAP alerta para proteção da restinga no Litoral do Estado

IAP alerta para proteção da restinga no Litoral do Estado