Superinformado Notícias
Facebook
Twitter
Instagram

Justiça da França condena Maluf a três anos de prisão por lavagem

Família foi condenada a multa e teve valores confiscados, mas já recorreu.


quarta-feira, 02/março/2016
Justiça da França condena Maluf a três anos de prisão por lavagem

A 11ª Câmara do Tribunal Criminal de Paris condenou o deputado federal Paulo Maluf (PP-SP) a três anos de prisão pelo crime de lavagem de dinheiro em território francês entre os anos de 1996 e 2005. De acordo com a sentença, proferida no fim do ano passado e informada à Procuradoria Geral da República no último mês, a lavagem foi fruto de corrupção e desvio de dinheiro público no Brasil.

A TV Globo entrou em contato com a assessoria do deputado, e aguarda resposta.

O tribunal francês condenou pelo mesmo crime a mulher dele, Sylvia Lutfalla Maluf, e o filho Flávio Maluf. Eles já recorreram da condenação, e a decisão está pendente de decisão na Corte de Apelação de Paris.

Após ser informada da condenação, a PGR pediu a transferência da ação criminal que corre na França para o Brasil e também requereu a repatriação dos valores confiscados na ação penal contra o parlamentar.

A Justiça francesa também confiscou 1,8 milhão de euros que estavam em contas da família e valores em espécie, além de impor multas aos três que somam 500 mil euros. A 11ª Câmara ordenou ainda que sejam mantidos mandados já expedidos anteriormente de captura internacional contra os três.

A Procuradoria quer que ele seja julgado no Brasil porque, como é brasileiro, a Constituição veda extradição para cumprir a pena na França. Ainda não há decisão sobre o pedido de transferência e de repatriação dos valores.

A apuração na França se baseou no compartilhamento de provas da Procuradoria Geral da República e do Ministério Público do Estado de São Paulo em razão de ações contra o parlamentar.

Segundo a PGR, a Justiça francesa afirmou que os três agiram para ocultar a origem de recursos oriundos de corrupção e peculato e enviar valores para empresas offshore (firmas criadas para fazer investimentos no exterior) e contas em bancos no exterior. Na sentença, são citados processos no Brasil como beneficiário de fundos no exterior.

Ações contra Maluf no Brasil
No Supremo, o deputado é alvo de ações penais que o acusam de desvios quando era prefeito de São Paulo.

Entre as obras suspeitas está a construção da Avenida Água Espraiada, atual Avenida Jornalista Roberto Marinho. Ele é acusado do crime de corrupção passiva e crimes contra o sistema financeiro. A suspeita é que o prejuízo aos cofres públicos tenha seja de US$ 1 bilhão.

Segundo o Ministério Público Federal, o dinheiro desviado teria sido entregue a um doleiro que fez remessas para uma conta de um banco em Nova York, nos Estados Unidos. De lá, os recursos teriam sido enviados para contas em paraísos fiscais.

O passo seguinte, segundo a acusação foi reutilizar parte do dinheiro com a compra de ações de empresas da família Maluf no Brasil, entre 1997 e 1998. O MPF calcula que, até janeiro de 2000, os fundos supostamente abastecidos pela família Maluf teriam movimentado mais de US$ 172 milhões.


Compartilhar
Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Google Plus

Leia Também
Osmar Dias se reúne com senador Requião

Governador Beto Richa e prefeito Cesar Filho visitam obra de ampliação do Aeroporto de Guarapuava

“O Paraná deve crescer para todos”, diz Osmar na região Norte

Autorizado projeto de readequação da estrada entre Santa Maria do Oeste e Campina do Simão


Hospital Regional se aproxima dos 60% de obra executada

Hospital Regional se aproxima dos 60% de obra executada


Justiça aceita denúncia, e vereadores de Guarapuava viram réus por organização criminosa

Justiça aceita denúncia, e vereadores de Guarapuava viram réus por organização criminosa


Presidente Municipal do PPS Guarapuava participa de protestos Fora Temer

Presidente Municipal do PPS Guarapuava participa de protestos Fora Temer


Em Brasília, prefeito Cesar Filho se reúne com Ministros

Em Brasília, prefeito Cesar Filho se reúne com Ministros