Superinformado Notícias
Facebook
Twitter
Instagram

Afinal, as anfetaminas foram ou não liberadas?

Nutrólogo abre o leque sobre o uso dos medicamentos e fala sobre tratamentos que podem ser feitos a parte


sexta-feira, 08/setembro/2017
Afinal, as anfetaminas foram ou não liberadas?

As gorduras localizadas no nosso corpo não apareceram ali do dia para noite, mas são resultados de meses ou anos de uma alimentação não equilibrada e do sedentarismo. Em alguns casos, o ganho de peso pode ocorrer por fatores genéticos (familiares) e também por disfunções endócrinas.  Perder peso sem passar fome é possível sim, o fato é que estamos sempre procurando uma forma de fazê-lo rapidamente, e por isso muitos optam pelas anfetaminas.

Segundo Máximo Asinelli, nutrólogo e gestor da Clínica Asinelli, em Curitiba, “esses medicamentos – tido como drogas podem ajudar um grande número de pacientes, mas devem ser analisados caso a caso na relação risco x benefício e dose adequada, pois podem trazem riscos a pessoas com predisposições a doenças cardíacas e psiquiátricas, e seus benefícios contra a obesidade podem ser limitados. Por esse motivo, as substâncias também foram proibidas nos Estados Unidos e na Europa”, pontua. Seu uso contínuo e desequilibrado pode levar à dependência e degeneração de determinadas células do cérebro, o que indica a possibilidade de produzir lesões irreversíveis em pessoas que abusam destas drogas.

Porém, os emagrecedores anfepramona, femproporex e mazindol viraram tema de intenso debate, após o Congresso liberar nos últimos tempos, seu uso no Brasil, sob o apoio das sociedades médicas, embora a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) siga afirmando que os riscos à saúde são maiores que os benefícios.

Asinelli destaca que embora os medicamentos tenham sido aprovados pelo Congresso, a Anvisa não pretende dar o selo de qualidade aos medicamentos, o que dificultará para os fabricantes em sua distribuição, aos comerciantes e aos consumidores, deixando-os por sua conta e risco. Diante das controvérsias, o nutrólogo expõe que “há diversos tratamentos que podem substituir o uso dos medicamentos, trazendo mais satisfação e saúde. Tais procedimentos exigem maior acompanhamento e tempo, porém apresentam maior êxito”, finaliza.

Serviço: Clínica Asinelli

Dr. Máximo Asinlli

Nutrólogo
Telefone: (41) 3015-6001 / (41) 9702-1117
E-mail: contato@asinelliclinicas.com.br ​

​Site: http://www.clinicaasinelli.com.br

​Endereço: Rua Ubaldino do Amaral nº 550 – Alto da XV Curitiba-PR.

​​Dias e horários de funcionamento: Segunda a Sexta – Das 7h30 às 18h.

 


Compartilhar
Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Google Plus

Leia Também
Mal do século: a diabetes e seus malefícios

Jovens estão perdendo audição por causa de fones de ouvido, alerta conselho

Senado aprova projeto que assegura a vítimas de câncer de mama cirurgia para simetria dos seios

As vantagens e desvantagens do cada vez mais popular coletor menstrual


Projeto da UFPR de acompanhamento de bebês é implantado no Hospital de Guaratuba

Projeto da UFPR de acompanhamento de bebês é implantado no Hospital de Guaratuba


Silicone pode dificultar o diagnóstico de câncer de mama?

Silicone pode dificultar o diagnóstico de câncer de mama?


Campo Real abre inscrições para Especialização em Estética

Campo Real abre inscrições para Especialização em Estética


Anvisa aprova a primeira imunoterapia da Roche no Brasil

Anvisa aprova a primeira imunoterapia da Roche no Brasil