Superinformado Notícias
Facebook
Twitter
Instagram

As vantagens e desvantagens do cada vez mais popular coletor menstrual

Mudanças na fabricação dos copinhos de silicone, que existem desde os anos 1930, o tornaram um dos principais assuntos em fóruns de discussão de mulheres nas redes sociais.


segunda-feira, 30/outubro/2017
As vantagens e desvantagens do cada vez mais popular coletor menstrual

“Queria ter descoberto antes, é maravilhoso”, é o que diz um número cada vez maior de mulheres que, nos últimos anos, começaram a usar o coletor menstrual – que recolhe o sangue da menstruação em um pequeno copo de silicone inserido no canal vaginal.

A ideia não é nova: os copinhos de coleta menstrual começaram a ser produzidos industrialmente nos anos 1930, com altos e baixos em seu uso ao longo das décadas.

Recentemente, o método se tornou mais popular, graças ao uso de materiais que os tornaram mais confortáveis e hipoalergênicos, além de menos poluentes.

Muitas mulheres começaram a usar o coletor por causa da propaganda boca a boca, especialmente nas redes sociais.

Em um número cada vez maior de fóruns, comunidades e grupos de discussão, elas compartilham experiências, dicas e dúvidas sobre o tema.

No Facebook, há grupos para marcas e até cidades diferentes, exclusivamente sobre o coletor menstrual. Uma das páginas chega a ter mais de 15 mil curtidas.

A BBC conversou com fabricantes e usuárias do copinho para entender suas principais vantagens e desvantagens.

Vantagens

1. Preço: Mesmo que sejam mais caros inicialmente – custam entre R$70,00 e R$120,00, a depender da marca – a longo prazo o coletor é mais econômico, já que elimina a necessidade de comprar absorventes mensalmente.

De acordo com o fabricante de coletores Mooncups, o copinho compensa seu preço em cerca de seis a oito meses. E ele pode durar até 10 anos.

2. Autonomia: Diferentemente dos absorventes, que devem ser trocados em intervalos de poucas horas, os coletores menstruais só precisam ser retirados, esvaziados e lavados aproximadamente a cada 12 horas – apesar de que essa recomendação varia de acordo com o fabricante.

Uma das usuárias, entrevistada pela BBC, Marta (sobrenome omitido a pedido da entrevistada), diz que os coletores “são ideais para situações nas que a pessoa vai ficar muitas horas fora em lugares onde é difícil se trocar, como na praia ou no camping”.

3. Conforto: Para muitas mulheres, cujo fluxo menstrual é pouco, os coletores são particularmente úteis. Os protetores comuns absorvem a umidade vaginal e podem ressecar a vagina, causando desconforto. O copinho, não.

Algumas usuárias afirmam que a sensação de usar o copo de silicone é “mais natural”, já que ele é colocado dentro do canal vaginal.

Também é menor o risco de “Síndrome do Choque Tóxico” (SCT), uma doença rara que pode estar associada ao uso de absorventes internos durante mais de oito horas.

4. Sustentabilidade: Como é reutilizável, o coletor também acaba com a necessidade de embalagens plásticas, caixas e aplicadores. Além disso, não produz resíduo plástico.

Desvantagens:

1. Adaptação: Pode levar alguns meses para que a mulher se adapte a colocar e retirar o coletor, e deixe de sentir incômodo com o cabo de silicone que fica fora do canal vaginal.

A depender do fabricante do copo de silicone, também é preciso ficar atenta ao tamanho adequado: em geral, há dois tamanhos, para fluxos mais fracos ou mais intensos.

Em alguns casos, também é necessário usar, além do coletor, um absorvente fino, para evitar vazamentos.

Além disso, a maior parte das usuárias entrevistadas pela BBC diz que, no início, parece mais trabalhoso usar o copinho, por causa da necessidade de removê-lo periodicamente para limpar.

2. Contato com o sangue: Para algumas usuárias, o uso do coletor é um desafio porque aumenta o contato com o sangue menstrual. É preciso retirar e esvaziar o copo a cada 12 horas, afinal.

Para Marta, o contato é benéfico para as mulheres, já que o sangramento mensal, é “algo natural que se tornou um tabu”.

Se a pessoa é mais sensível ao sangue, no entanto, pode não ser a melhor opção.

3. Higienização: Como é preciso lavar o coletor depois de esvaziá-lo, é preciso ter acesso a um banheiro onde isso possa ser feito com privacidade.

Algumas mulheres, por exemplo, dizem levar consigo uma garrafa de água, para que possam higienizar o copo em banheiros públicos. Outras esperam para fazê-lo apenas em casa, já que podem usar o método por até 12 horas seguidas.

Potencial ‘revolucionário’

Em muitos países em desenvolvimento, onde o acesso a absorventes é caro e difícil, a menstruação impede que garotas vão à escola ou participem em atividades sociais.

Diversos projetos recentes em países do continente africano demonstraram que o uso de coletores menstruais por meninas em idade escolar teve um grande impacto tanto em sua educação como em sua vida pessoal.

Para muitas delas, no entanto, o preço inicial do método o torna inacessível, a não ser que ele seja fornecido por organizações de caridade.

Além disso, dificuldades de acesso à água limpa e problemas para manter a higiene do coletor podem facilitar a ocorrência de infecções.

G1


Compartilhar
Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Google Plus

Leia Também
EUA aprovam nova droga anti-HIV: a primeira a juntar dois compostos da nova geração

Tratamento para câncer de próstata ganha genérico inédito

Unicamp desenvolve colírio para evitar e tratar perda de visão em diabéticos

Mal do século: a diabetes e seus malefícios


Jovens estão perdendo audição por causa de fones de ouvido, alerta conselho

Jovens estão perdendo audição por causa de fones de ouvido, alerta conselho


Senado aprova projeto que assegura a vítimas de câncer de mama cirurgia para simetria dos seios

Senado aprova projeto que assegura a vítimas de câncer de mama cirurgia para simetria dos seios


Projeto da UFPR de acompanhamento de bebês é implantado no Hospital de Guaratuba

Projeto da UFPR de acompanhamento de bebês é implantado no Hospital de Guaratuba


Silicone pode dificultar o diagnóstico de câncer de mama?

Silicone pode dificultar o diagnóstico de câncer de mama?