Superinformado Notícias
Facebook
Twitter
Instagram

Ministério da Saúde anuncia adoção de uso preventivo de pílula anti-HIV para pessoas em risco

Profilaxia pré-exposição (PrEP) já vinha sendo estudada pelo Ministério da Saúde. Medicamento Truvada, usado para tratamento, passará a ser usado para prevenção.


quarta-feira, 24/maio/2017
Ministério da Saúde anuncia adoção de uso preventivo de pílula anti-HIV para pessoas em risco

O Ministério da Saúde anunciou, nesta quarta-feira (24), que adotará a profilaxia pré-exposição (PrEP) contra o HIV para grupos em risco. A estratégia envolve o uso diário do medicamento Truvada (combinação dos antirretrovirais tenofovir e emtricitabina) por pessoas que não têm o vírus. O objetivo é proteger grupos que estão mais expostos ao risco de infecção, como profissionais do sexo, casais sorodiscordantes (quando um tem o vírus e o outro não), pessoas trans e homens que fazem sexo com homens.

Segundo o ministro Ricardo Barros, a pasta já investiu U$ 1,9 milhão na compra de 2,5 milhões de comprimidos de Truvada, o que deve ser suficiente para atender à demanda durante um ano. Barros destacou que o Brasil será um dos primeiros países no mundo, e o primeiro na América Latina, a adotar essa estratégia preventiva.

O medicamento deve estar disponível no SUS para esses grupos 6 meses após a publicação do Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas, o que está previsto para ocorrer na segunda-feira (29), segundo o ministério.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) também deverá publicar a alteração do registro do Truvada para que ele possa ser usado na PrEP. Hoje, no Brasil, o Truvada é aprovado somente para o tratamento da doença, por isso é necessário uma mudança no registro para o uso em prevenção.

O governo estima que a estratégia será usada por 7 mil pessoas que fazem parte das populações-chave. Para receber o medicamento, o paciente passará por uma avaliação para verificar o quão exposto ele está ao vírus HIV.

Especialistas alertam que esse tipo de estratégia deve ser aliada a outras medidas preventivas. Quem optar por adotá-la, por exemplo, deve ser aconselhado a continuar usando a camisinha, a fazer testes de HIV periodicamente e a tratar outras DSTs, que costumam deixar o paciente ainda mais vulnerável à infecção por HIV.

Eficácia da estratégia

Desde 2014, a profilaxia pré-exposição é recomendada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para pessoas em riscoconsiderável de se infectarem com HIV e sua eficácia foi comprovada por quatro estudos clínicos. Um deles, o estudo internacional iPrEx (Iniciativa de Profilaxia Pré-exposição), do qual o Brasil também participou, concluiu que o uso diário de antirretroviral por homens saudáveis que fazem sexo com homens conseguiu prevenir novas infecções com eficácia que variou de 43% a 92%, dependendo da adesão ao medicamento.

A adoção da estratégia já vinha sendo estudada pelo Brasil por meio de cinco estudos financiados pelo Ministério da Saúde realizados por instituições como a Faculdade de Medicina da USP e pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

g1


Compartilhar
Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Google Plus

Leia Também
Homens também devem aderir o hábito

Dicas básicas para prevenir enfermidades comuns nos dias frios

Dieta vegetariana emagrece duas vezes mais do que as tradicionais, diz estudo

Estado vai promover mutirão de cirurgias bariátricas na região de Maringá


Indústria vai mudar composição de alimentos para retirar sódio, diz ministério

Indústria vai mudar composição de alimentos para retirar sódio, diz ministério


Paraná recebe equipamento avançado para tratamento do Câncer

Paraná recebe equipamento avançado para tratamento do Câncer


97% do grupo de risco é vacinado em Guarapuava

97% do grupo de risco é vacinado em Guarapuava


Beleza em Perspectiva

Beleza em Perspectiva



CFW Agência de Internet