Superinformado Notícias
Facebook
Twitter
Instagram

Nova técnica que combina 2 drogas reduz câncer de mama ‘dramaticamente’ em 11 dias

Médicos se surpreenderam ao descobrir, na operação para retirada de tumores


sexta-feira, 11/março/2016
Nova técnica que combina 2 drogas reduz câncer de mama ‘dramaticamente’ em 11 dias

Uma combinação de dois medicamentos pode diminuir muito ou eliminar alguns tipos de câncer de mama em apenas 11 dias, de acordo com médicos britânicos.

Eles dizem que a descoberta “surpreendente”, apresentada na Conferência Europeia de Câncer de Mama, pode significar que algumas mulheres não irão precisar de quimioterapia.

As drogas, testadas em 257 mulheres, atacam uma fraqueza específica encontrada em 1 a cada 10 casos de câncer.

Segundo especialistas, a descoberta é um passo importante para cuidados sob medida para o câncer.

Os médicos que coordenaram os testes não esperavam – nem sequer pretendiam – alcançar resultados tão significativos.

Eles estavam pesquisando como as drogas mudavam o câncer na breve janela entre o diagnóstico de um tumor e a operação para removê-lo.

Mas no momento da operação, não havia mais sinais de câncer em algumas pacientes.

Judith Bliss, do Instituto de Pesquisa do Câncer de Londres, disse que o impacto da descoberta seria “dramático”.

“Ficamos especialmente surpresos com essas descobertas já que foi um teste de curto prazo. Ficou claro que alguns tiveram uma resposta completa. É muito intrigante, é muito rápido”, disse à BBC.

Tipo de câncer
As drogas usadas foram lapatinib e trastuzumab, essa última mais conhecida como Herceptin.

As duas têm como alvo a HER2, proteína que acelera o crescimento de alguns cânceres de mama em mulheres.

O Herceptin age na superfície de células cangerígenas, enquanto o lapatinib consegue penetrar dentro da célula para ‘desligar’ a HER2.

O estudo, que também ocorreu em hospitais do NHS (o SUS britânico) em Manchester, deu o tratamento a mulheres com tumores medindo entre 1 e 3 cm.

Em menos de duas semanas de tratamento, o câncer desapareceu completamente em 11% dos casos, e em outros 17% ele ficou menor que 5mm.

Atualmente, quem tem câncer de mama HER2 positivo tem mais chances de reincidência.

“Teríamos que ter certeza de que não estamos dando um passo atrás e aumentando o risco de reincidência”, acrescentou Bliss.

“Esperamos que esse teste particularmente impressionante com essa combinação sirva para darmos um passo além em direção a uma era com mais tratamentos personalizados para câncer de mama HER2 positivo”, disse Delyth Morga, presidente-executiva da Breast Cancer Now.

Cientistas estavam pesquisando como as drogas mudavam o câncer na breve janela entre o diagnóstico de um tumor e a operação para removê-lo; no momento da operação, não havia mais sinais de câncer em algumas pacientes

“Uma resposta tão rápida ao tratamento pode dar ao médicos, em breve, uma capacidade sem precedentes de identificar mulheres que respondam tão bem (ao tratamento) que nem precisem de quimioterapia.”

Hoje, acredita-se que o que chamamos de “câncer de mama” seriam dez doenças diferentes, cada uma com causa, expectativa de vida e tratamento necessário diversos.

Conseguir combinar as fraquezas específicas de cada tumor com drogas que as ataquem é considerado o futuro do tratamento do câncer.

Os cânceres de mama, em particular os tumores HER2 positivos, estão na linha de frente desta revolução no tratamento.

Arnie Purushotham, do Cancer Research UK, que financiou o estudo, disse: “Esses resultados são muito promissores se se sustentarem em longo prazo, e podem ser o primeiro passo em achar uma nova forma de tratar este tipo de câncer.”

 

g1


Compartilhar
Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Google Plus

Leia Também
Cientistas dizem ter feito a maior descoberta em 50 anos contra doenças degenerativas

Conheça a dispraxia, transtorno que afeta o ator de Harry Potter

Como queimar a gordura abdominal?

Por que engordamos quando ficamos mais velhos


Dermatologistas alertam para o perigo do bronzeado com fita

Dermatologistas alertam para o perigo do bronzeado com fita


Vacina da dengue não deve ser tomada por quem nunca teve a doença, diz nova recomendação da Anvisa

Vacina da dengue não deve ser tomada por quem nunca teve a doença, diz nova recomendação da Anvisa


Mais da metade dos brasileiros de 16 a 25 anos está infectada com HPV

Mais da metade dos brasileiros de 16 a 25 anos está infectada com HPV


Estudo mostra como a diabetes tipo 2 ocorre em pessoas obesas

Estudo mostra como a diabetes tipo 2 ocorre em pessoas obesas