Superinformado Notícias
Facebook
Twitter
Instagram

Saúde dá dicas sobre cuidados com a dengue antes da viagem de férias

São poucos minutos que fazem toda a diferença no combate ao mosquito


sexta-feira, 25/dezembro/2015
Saúde dá dicas sobre cuidados com a dengue antes da viagem de férias

A chegada do verão, com temperaturas mais altas e o clima chuvoso, propicia o acúmulo de água e o desenvolvimento do mosquito Aedes aegypti, transmissor de doenças como a dengue, a zika e a chikungunya. Quem vai viajar deve redobrar os cuidados para evitar o avanço dessas doenças.

Antes de deixar o imóvel, o morador deve verificar se não está abandonando recipientes que possam acumular água e servir como criadouro para as larvas do mosquito. É recomendado prestar atenção em espaços que nem sempre são lembrados, como bromélias, ocos de árvores, ralos e coletores de água da geladeira/ar condicionado.

“São poucos minutos que fazem toda a diferença no combate ao mosquito. Mantendo a casa sem água parada, você protege sua família e também os seus vizinhos”, diz a chefe do Centro Estadual de Vigilância Ambiental, Ivana Belmonte.

As mesmas recomendações devem ser seguidas por quem aluga uma casa na temporada. “A chegada deve ser acompanhada de uma vistoria cuidadosa em vasos, baldes, piscinas, vasos sanitários, tanques, garrafas e qualquer objeto que possa juntar água durante a ausência dos moradores”, complementa Ivana.

CAMPANHA – Nesta quarta-feira (23), a equipe da Secretaria Estadual de Saúde distribuiu panfletos com informações sobre o combate ao Aedes aegypti na rodoferroviária de Curitiba. Quem estava chegando ou saindo da cidade recebeu um material educativo com um check-list dos principais locais e objetos que podem se tornar criadouros do mosquito.

A estudante Carolina Batista, que estava prestes a embarcar rumo à Londrina, afirmou que esse tipo de ação é importante para conscientizar aquelas pessoas que não convivem com o perigo da dengue, da zika e do chikungunya constantemente. “Aqui em Curitiba vemos pouquíssimos casos de dengue e por isso as pessoas não se preocupam tanto. Diferente de outras regiões, como Londrina, onde a dengue é um problema sempre presente”, afirmou.

NÚMEROS – Desde agosto, 1.281 casos de dengue foram confirmados no Paraná, a maioria nas regiões Norte e Oeste. Dos 399 municípios do Estado, 86 tiveram casos de dengue confirmados. Até o momento, pelo menos quatro cidades já estão em situação de epidemia: Munhoz de Mello, Santa Isabel do Ivaí, Itambaracá e Guaraci.

ORIENTAÇÃO – O verão é a estação do ano que mais concentra casos de dengue no Paraná. As temperaturas mais quentes favorecem a eclosão dos ovos do mosquito Aedes aegypti. Os ovos geralmente são depositados em água parada e podem sobreviver por mais de um ano à espera de um clima propício para se desenvolver.

Entre os criadouros mais comuns estão vasos e pratos de plantas, garrafas pet, copos plásticos, sacolas, latas e outros materiais recicláveis. Também existem outros vilões que nem sempre estão à vista, como calhas entupidas, ocos de árvores, bromélias e bandejas externas de geladeira.

Saiba mais sobre o trabalho do Governo do Estado em: www.pr.gov.br e www.facebook.com/governopr


Compartilhar
Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Google Plus

Leia Também
Energéticos têm impacto negativo em jovens, diz estudo

​​Praticar corrida de rua requer alguns cuidados para evitar lesões

Estudo afirma que café pode diminuir risco de câncer de próstata

Sobe para 13 o número de mortos por febre amarela em São Paulo


USP cria gel que promete acabar com feridas de Herpes

USP cria gel que promete acabar com feridas de Herpes


As bebidas gasosas engordam? Testamos o efeito delas sobre o corpo e temos a resposta

As bebidas gasosas engordam? Testamos o efeito delas sobre o corpo e temos a resposta


Justiça proíbe dentistas de aplicar botox em pacientes

Justiça proíbe dentistas de aplicar botox em pacientes


Cientistas dizem ter feito a maior descoberta em 50 anos contra doenças degenerativas

Cientistas dizem ter feito a maior descoberta em 50 anos contra doenças degenerativas