Superinformado Notícias
Facebook
Twitter
Instagram

Substância presente na pimenta e na maconha pode controlar o diabetes, afirmam cientistas


segunda-feira, 01/maio/2017
Substância presente na pimenta e na maconha pode controlar o diabetes, afirmam cientistas

Cientistas descobriram recentemente que tanto a pimenta vermelha quanto a maconha possuem uma substância que é capaz de reduzir a inflamação intestinal. No futuro, essas duas substâncias podem acabar gerando remédios que combatam o diabetes tipo 1 e a colite (inflamação do intestino grosso).

A pesquisa foi coordenada pela Universidade de Connecticut, nos EUA, que testou a substância capsaicina, presente em pimentões e pimentas vermelhas, em ratos de laboratório. Os ratinhos com essa dieta apresentaram um menor índice de inflamação intestinal, sendo que alguns deles até curaram o diabetes tipo 1.

Conforme os cientistas, a capsaicina se liga ao receptor chamado TRPV1, presente em todo o sistema gastrointestinal. Isso resulta em um composto chamado anandamida, muitíssimo semelhante quimicamente aos canabinoides presentes na maconha. A anandamida reage com outro receptor, dando origem a macrófagos imunológicos capazes de reduzir inflamações no intestino, pâncreas, estômago e esôfago.

Maconha
E como entra a maconha nesse contexto? Os receptores aos quais a anandamida se conecta, localizados no intestino, também estão presentes no cérebro. São esses receptores cerebrais que se unem aos canabinoides criando a sensação chapada sentida pelos usuários de maconha. Ainda não se sabe qual a função exata desses receptores no cérebro, mas acredita-se que possam ter uma função semelhante à descoberta pelos cientistas da Universidade de Connecticut.

Doenças intestinais e diabetes
No futuro, é possível que remédios à base de maconha também possam ser criados para tratar doenças intestinais ou diabetes tipo 1.  A pesquisa indica que os sistemas digestivo e nervoso podem estar muito mais conectados do que pensávamos anteriormente. “Isso nos permite imaginar formas de como o sistema imunológico e o cérebro podem conversar um com os outro, já que possuem uma linguagem comum”, avalia Pramod Srivastava, coautor da pesquisa.

As informações são do portal IFLSCIENCE/KATY EVANS


Compartilhar
Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Google Plus

Leia Também
Homens também devem aderir o hábito

Dicas básicas para prevenir enfermidades comuns nos dias frios

Dieta vegetariana emagrece duas vezes mais do que as tradicionais, diz estudo

Estado vai promover mutirão de cirurgias bariátricas na região de Maringá


Indústria vai mudar composição de alimentos para retirar sódio, diz ministério

Indústria vai mudar composição de alimentos para retirar sódio, diz ministério


Paraná recebe equipamento avançado para tratamento do Câncer

Paraná recebe equipamento avançado para tratamento do Câncer


97% do grupo de risco é vacinado em Guarapuava

97% do grupo de risco é vacinado em Guarapuava


Beleza em Perspectiva

Beleza em Perspectiva



CFW Agência de Internet