Superinformado Notícias
Facebook
Twitter
Instagram

Unicentro desenvolve projeto de atividades físicas para populações especiais


quinta-feira, 03/dezembro/2015
Unicentro desenvolve projeto de atividades físicas para populações especiais

Um novo projeto, direcionado para parte da comunidade que sofre com algum tipo de distúrbios metabólicos, está sendo lançado na Unicentro. Intitulado “Atividades Física para Populações Especiais”, o projeto, ligado ao Departamento de Educação Física da universidade, tem por finalidade atender e auxiliar na recuperação desses pacientes. “O objetivo desse programa é atender populações que apresentam alguma disfunção metabólica como osteoporose, diabetes, hipertensão, obesidade. São pacientes que estão em fase de acompanhamento ou na reabilitação dessas disfunções que são necessárias atendimento médico”, comenta o coordenador do projeto, professor Marcos Queiroga.

 

Inicialmente, as aulas serão realizadas todas segundas e quartas-feiras, das 15h30 às 18h30, com duração de uma hora por sessão. Segundo Queiroga, as aulas contarão com atividades aeróbicas e de fortalecimento muscular. “As atividades vão contar com exercícios localizados como pilates, ginástica funcional, trabalhos com corda e bola e também atividades aeróbicas, como bicicleta e também caminhada”.

 

O projeto, que vem sendo pensado desde 2010, conseguiu ser implantado neste ano. De acordo com Queiroga, atividades físicas são fundamentais para pessoas que sofrem com distúrbios metabólicos. “A grande maioria dos problemas metabólicos tem um agravamento a partir do sedentarismo. Nós estamos propondo que esse fator de risco seja minimizado. Melhorando a condição física, a pessoa tem mais capacidade de fazer atividades físicas no seu dia a dia, tem condições de perder peso, de melhorar o seu condicionamento neuromuscular e isso vai lhe dando autonomia para realizar outras atividades além da que nós estamos propondo aqui”.

 

As atividades serão ministradas por alunos do curso de educação física, sob orientação de um professor. O preparo dos acadêmicos que farão parte desse projeto começou há alguns meses. “Nós temos um grupo de estudos que já vem há três meses trabalhando conceitos, aplicações práticas a respeito de atividade física para esse tipo de população e pretendemos, a partir dos próximo anos, desenvolver nessa clínica o nosso estágio obrigatório”, ressalta.

 

O professor ainda destaca a importância de ter esse tipo de prática dentro das universidades, que beneficiam acadêmicos, instituição e comunidade. “Nós conseguimos fazer uma importante relação, ou seja, conseguimos aplicar o que o aluno aprende na teoria diretamente na prática. Então, da sala de aula ele sai para trabalhar aqui dentro. Para nós, além de poder fornecer para a comunidade um serviço gratuito e de qualidade, nossos alunos também vão aprender muito com isso”, finaliza.

 

Os interessados em participar devem ser encaminhados pela Secretaria Municipal de Saúde, Clínica Escola de Farmácia, Órtese e Prótese, Nutrição ou Fisioterapia da Unicentro. Para outras informações, o podem entrar em contato no Departamento de Educação Física da instituição pelo telefone (42) 3629-8132.


Compartilhar
Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Google Plus

Leia Também
Energéticos têm impacto negativo em jovens, diz estudo

​​Praticar corrida de rua requer alguns cuidados para evitar lesões

Estudo afirma que café pode diminuir risco de câncer de próstata

Sobe para 13 o número de mortos por febre amarela em São Paulo


USP cria gel que promete acabar com feridas de Herpes

USP cria gel que promete acabar com feridas de Herpes


As bebidas gasosas engordam? Testamos o efeito delas sobre o corpo e temos a resposta

As bebidas gasosas engordam? Testamos o efeito delas sobre o corpo e temos a resposta


Justiça proíbe dentistas de aplicar botox em pacientes

Justiça proíbe dentistas de aplicar botox em pacientes


Cientistas dizem ter feito a maior descoberta em 50 anos contra doenças degenerativas

Cientistas dizem ter feito a maior descoberta em 50 anos contra doenças degenerativas