Superinformado Notícias
Facebook
Twitter
Instagram

Pedido de recuperação judicial pode ser saída para evitar falência

Recente caso da Oi lançou alerta sobre empresas de como evitar a falência através do pedido de recuperação judicial.


sexta-feira, 15/julho/2016
Pedido de recuperação judicial pode ser saída para evitar falência

Recentemente a empresa de telefonia fixa e móvel Oi ajuizou um pedido de recuperação judicial, tentando renegociar dívidas e conseguir apoio para evitar a falência. Com uma dívida de R$ 65,4 bilhões, caso seja aceito, o pedido de recuperação da Oi será o maior da história do Brasil. A título de comparação, em abril, a Sete Brasil, empresa de sondas da Petrobras, foi à Justiça negociar R$ 19,3 bilhões com credores. Mas, afinal de contas, o que é recuperação judicial e como funciona o processo?

 

A recuperação judicial foi inspirada na legislação americana e foi desenhada para dar proteção a empresas para que elas possam quitar dívidas com credores e evitar a falência. A recuperação judicial foi criada em fevereiro de 2005 para substituir a antiga concordata e evitar a falência das empresas. As companhias que recorrerem à lei ficam blindadas de cobranças de credores por 180 dias e devem elaborar um plano para recuperar a empresa. Esse plano precisa ser aprovado pelos credores, sob o aval da Justiça, e executado com sucesso pela companhia para o processo chegar ao fim.

 

Quando a empresa apresenta, em juízo, o pedido de recuperação, deve explicar o motivo, além de disponibilizar documentos referentes aos donos, aos sócios e à empresa, como o balanço financeiro. O requerente deve ainda montar e defender um plano de pagamento, com prazos de quitação, pedidos viáveis de descontos e previsão de fluxo de caixa, considerando de onde sairá o dinheiro para a empresa continuar a operar nesse período. No plano pode constar ainda oferta de bens para abatimento da dívida e cortes de gastos e pessoal. “A empresa deve formular um plano exequível, para que realmente consiga cumprir todas as novas obrigações. Quanto aos credores, estes devem fiscalizar as contas e patrimônio da empresa, para garantir o recebimento do seu crédito em valor que seja possível à empresa”, explica o advogado Alexandre Cardoso, representante do escritório Bento, Muniz e Monteiro (BMM) no Recife.

 

A grande vantagem do pedido de recuperação judicial em relação à falência é que a empresa pode continuar funcionando normalmente, enquanto que na falência ela seria fechada e os bens vendidos para pagar credores. Mas é preciso ficar atento para não fazer do pedido apenas uma renegociação de dívidas, mas sim um projeto de reestruturação para fazer com que a empresa volte a ser viável economicamente. “Sem dúvidas a recuperação judicial é uma excelente solução para empresas que não conseguem arcar com seus compromissos com credores em geral. Os benefícios são vários: descontos consideráveis no valor dos débitos e prazos que podem ser extremamente elástico para pagamento parcelado”, continua Alexandre Cardoso.

 

É o juiz quem decide se autoriza ou não o processamento da recuperação judicial. Se não autorizar, o pedido será arquivado. Se autorizar, é estabelecido o prazo de 60 dias para a empresa apresentar o plano. Caso a empresa não apresente, o juiz decreta falência. Se o plano de recuperação for apresentado, é a vez dos credores se manifestarem. Para que seja aprovado e posto em prática, é preciso ter aval da maioria dos credores, tanto em número quanto em valor, ou seja, dos detentores da maior parte da dívida. Se não aceitarem, a empresa vai à falência.

 

No período em que estiver em recuperação, a empresa ficará sob a supervisão de um administrador judicial. A companhia só sai do processo e volta a ter autonomia de gestão com o aval do juiz, até que se cumpram todas as obrigações previstas no plano e que vencem em até 2 anos da concessão da recuperação. Se não cumprir suas obrigações após esse período, terá a falência decretada.

 


Compartilhar
Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Google Plus

Leia Também
Menino de 12 anos beija namorado em festa de aniversário e causa polêmica na internet

Ex-estagiário da Justiça Federal é solto após admitir acesso a processos de um dos maiores traficantes do país, diz PF

Viviane Araújo se prepara para fazer bonito mais um ano no carnaval

Chuva causa estragos em cidades da região central e dos Campos Gerais do Paraná


Policiais presos por participação na morte de casal tinham negócios com as vítimas

Policiais presos por participação na morte de casal tinham negócios com as vítimas


Criança destroi bancada de maquiagem da Sephora e causa prejuízo de R$ 4 mil

Criança destroi bancada de maquiagem da Sephora e causa prejuízo de R$ 4 mil


Modelo Sarah Britto mostra corpão a beira da piscina e leva os fãs à loucura

Modelo Sarah Britto mostra corpão a beira da piscina e leva os fãs à loucura


Faculdade Guairacá realiza teste seletivo para contratação de professores para o curso de Odontologia

Faculdade Guairacá realiza teste seletivo para contratação de professores para o curso de Odontologia