Superinformado Notícias
Facebook
Twitter
Instagram

Faixas de pedestre em 3D tentam reduzir atropelamentos

Iniciativas já foram vistas na China, Índia, Geórgia e agora na Islândia.


sexta-feira, 29/setembro/2017
Faixas de pedestre em 3D tentam reduzir atropelamentos

Como a faixa de pedestres parece não significar nada para muitos motoristas, algumas tentativas de pinturas em três dimensões pelo mundo tentam tornar o sinal mais visível, com objetivo de reduzir atropelamentos.

Iniciativas já foram vistas na China, Índia, Geórgia e agora na Islândia. A ideia é usar a ilusão de óptica como um fator a mais para fazer o motorista reduzir a velocidade e permitir a passagem dos transeuntes.

Segundo informou a agência de notícias chinesa Xinhua, em Chengdu, pedestres notaram que os veículos passaram a parar mais na faixa com a pintura 3D.

Um estudo da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) apontou que 22% das mortes no trânsito se referem a pedestres.

Um pedestre tem menos de 20% de probabilidade de morrer se atropelado por um automóvel a menos de 50 km/h, mas quase 60% se atropelado a 80 km/h.

No entanto, ainda não existem estudos que comprovem a eficácia da faixa 3D, que pode cair conforme os motoristas vão se acostumando com a ilusão.

g1


Compartilhar
Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Google Plus

Leia Também
Sultão da Malásia ganha réplica de carro dos Flintstones

Confira os carros mais seguros de 2017, após teste de colisão

Milionária russa cobre Lamborghini com 1,3 milhão de cristais Swarovski

Renovada, Honda Biz completa 20 anos em 2018


Navegação e venda de lanchas devem crescer neste verão

Navegação e venda de lanchas devem crescer neste verão


Lançamento da NáuticaSC acontece neste sábado em Itajaí

Lançamento da NáuticaSC acontece neste sábado em Itajaí


Ford abre pré-venda do Mustang por R$ 299.900

Ford abre pré-venda do Mustang por R$ 299.900


Bons de revenda! Estudo aponta os carros com as menores depreciações no Brasil

Bons de revenda! Estudo aponta os carros com as menores depreciações no Brasil