Superinformado Notícias
Facebook
Twitter
Instagram

Plataforma no Atlântico se transforma na pousada ‘mais isolada do mundo’

Frying Pan Tower, farol desativado da Marinha dos EUA, erguido nos anos 60, oferece vista do mar e noites estreladas


quinta-feira, 07/janeiro/2016
Plataforma no Atlântico se transforma na pousada ‘mais isolada do mundo’

Uma plataforma desativada da Marinha americana, localizada em pleno oceano Atlântico a 55 km da costa, se tornou em uma concorrida pousada para visitantes em busca de destinos inusitados.

A Frying Pan Tower, erguida em 1964, operava um farol para navios em uma região famosa por seus bancos de areia – e pelos naufrágios ocorridos ali por causa destes.

Duas décadas depois, a invenção do GPS a tornou desnecessária. Acabou desativada em 2003, já danificada após ser atingida por furacões.

Os debates sobre o destino da torre oscilavam entre demoli-la ou transformá-la em um laboratório, até que, em 2009, foi vendida pelo governo para uma operadora de mergulhos.

Mas sua nova dona não pagou o montante acordado e a estação foi à leilão no ano seguinte. O lance vencedor foi do engenheiro de software Richard Neal, que adquiriu a estação por US$ 87 mil.

“A comprei porque me lembrava de uma casa na árvore que eu tinha quando era criança”, diz Neal. “De repente, eu era dono de algo enorme e que precisava de muitos reparos.”

Neal diz que a princípio não tinha ideia do que faria com a estrutura. Pensou em alugá-la para empresas de mergulho ou vendê-la de novo por um valor maior.

Mas, após entrar no local pela primeira vez, decidiu transformá-lo em uma pousada para que outras pessoas pudessem ter a chance de experimentar como é a vida em alto mar – além de, desta forma, conservar a construção e sua história.

“Quando abri a porta, foi como caminhar para dentro da história. Nada havia mudado. Depois de ver como ela foi construída, preservá-la tornou-se importante.”

Distante 55 km da costa do Estado da Carolina do Norte, a pousada Frying Pan Tower tem hoje oito quartos e abriga até 12 pessoas de uma vez.

As instalações são simples, mas oferecem água quente, eletricidade, internet wifi e uma cozinha completa.

Os hóspedes podem descansar nas redes, admirar a paisagem sem um pedaço de terra à vista, a noite estrelada, jogar sinuca, pescar ou mergulhar no mar de águas cristalinas a 30 metros abaixo da plataforma.

A estadia custa US$ 500 por duas noites, o que não inclui o transporte de helicóptero ou barco, as únicas formas de chegar ao local.

“A torre tornou-se uma atração bastante procurada. Por vezes, até tenho mais pessoas interessadas do que gostaria”, diz seu dono.

Neal ainda conta com a ajuda de doadores e voluntários para restaurar a torre.

“Se tivesse dinheiro, nunca faria isso, mas sou um cara comum. Quase tudo aqui foi doado. Provavelmente um terço dos meus hóspedes são voluntários. Tem sido incrível”, afirma ele.

“Estamos com 50% da restauração pronta, mas, por estarmos no meio do oceano, sempre há uma manutenção a ser feita. Temos uma chance de preservar a estação para as futuras gerações.”

 

 

g1


Compartilhar
Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Google Plus

Leia Também
Mabu inicia a construção do Blue Park em Foz do Iguaçu

Como turistas viraram uma ameaça à cidade de Game of Thrones

Hotel temático de Star Wars já tem data para estrear na Disney

Turista gasta até R$ 5 mil com aluguel de carro de luxo para ‘desfilar’ em Campos do Jordão


Visto permanente de brasileiros para o Uruguai fica mais fácil

Visto permanente de brasileiros para o Uruguai fica mais fácil


9 países para viajar sem o passaporte

9 países para viajar sem o passaporte


Prefeitura de Guarapuava revitaliza Gruta do Jordão

Prefeitura de Guarapuava revitaliza Gruta do Jordão


Céu limpo e menos mosquitos; veja dicas e locais para acampar no inverno

Céu limpo e menos mosquitos; veja dicas e locais para acampar no inverno



CFW Agência de Internet