Publicidade

O preço da passagem de ônibus para Curitiba e Região Metropolitana será de R$ 2,85.

00108648

O valor foi definido nesta terça-feira (12), pela Urbs e pela Prefeitura de Curitiba e passa a valer a partir da 0h de quinta-feira (14).
O reajuste deveria ter sido anunciado na sexta-feira (8), mas a divulgação do novo preço foi adiada, em decorrência das negociações salariais de motoristas e cobradores de ônibus, cujo acordo ainda não tinha sido fechado. Com o acerto dos trabalhadores com as empresas que operam o transporte coletivo, a prefeitura pode calcular o novo valor.
Domingueira e Turismo
A Urbs também reajustou os valores das tarifas pagas aos domingos e pelos usuários da Linha Turismo, que percorre os principais pontos turísticos da cidade. A partir do próximo fim de semana, os usuários que antes pagavam R$ 1 para andar de ônibus vão precisar desembolsar R$ 1,50. Já a Linha Turismo terá o valor reajustado de R$ 27 para R$ 29.
Outra linha que também teve o valor reajustado foi a Circular Centro. As passagens ônibus que percorrem apenas a região central de Curitiba, de segunda a sábado, passam a custar R$ 1,70.

Richa x Fruet
O preço da passagem da tarifa única para Curitiba e Região Metropolitana tornou-se uma novela entre as administrações municipal e estadual. Até o início de 2013, o governo estadual contribuía com parte do valor, com um subsídio que dava à prefeitura a possibilidade de cobrar um valor menor dos usuários.
Porém, na terça-feira (5), o governador Beto Richa (PSDB) anunciou o fim do subsídio para o sistema de transporte da Região Metropolitana de Curitiba. Em contrapartida, ele disse que pretende retirar o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) do diesel usado pelas empresas que operam o transporte nas maiores cidades do Paraná.
Para o o prefeito de Curitiba, Gustavo Fruet (PDT), a medida não seria suficiente para amenizar a perda do subsídio. Na segunda-feira (11), ele prometeu fazer todos os esforços possíveis para que o valor pago pelos passageiros ficasse abaixo de R$ 3.
De acordo com os cálculos divulgados pela prefeitura, o valor da tarifa técnica, que considera o custo total do transporte, é de R$ 3,13. Contudo, o subsídio do governo estadual deve cobrir a diferença até maio, quando será encerrada a parceria. A partir daí, a diferença de R$ 0,28, segundo a prefeitura, será arcada pelos 13 municípios que fazem parte da integração do transporte.

Combustível caro
Ainda segundo a prefeitura, o que mais impactou o aumento da passagem de ônibus foi o preço dos combutíveis e dos lubrificantes que subiram, no último ano, 12,3% e dos pneus, que ficaram 7,8% mais caros. Outro fator importante foi o reajuste salarial dos trabalhadores. A prefeitura alega também que os custos com peças, acessórios e o preço dos próprios veículos também ajudou no aumento.
Reajuste salarial
O acordo entre os trabalhadores do transporte coletivo e as empresas de ônibus fixou em 10,5% o aumento salarial da categoria, que reivindicava 30%. Além disso, as empresas também concordaram em pagar R$ 300 de auxílio-alimentação e outros R$ 300 de abono, que será pago em duas parcelas, nos meses de setembro e outubro.
O termo do dissídio foi firmado na manhã desta terça-feira, em reunião entre o Sindicato dos Motoristas e Ônibus de Curitiba e Região Metropolitana (Sindimoc) e os representantes das empresas e da Urbs. O encontro ocorreu no Tribunal Regional do Trabalho (TRT), em Curitiba

 

G1

COMPARTILHE ESTA MATÉRIA
  • Twitter
  • Facebook
  • Delicious
  • Google
  • RSS Feed
Publicidade
LEIA TAMBÉM