Superinformado Notícias
Facebook
Twitter
Instagram

Anvisa aprova a primeira imunoterapia da Roche no Brasil

Tratamento inovador usa o próprio sistema imune para combater dois tipos de câncer – o de pulmão e o urotelial


terça-feira, 10/outubro/2017
Anvisa aprova a primeira imunoterapia da Roche no Brasil

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) acaba de aprovar, no Brasil, uma nova imunoterapia para o tratamento de dois tipos de tumores oncológicos: o carcinoma urotelial, que atinge a região da bexiga, e o câncer de pulmão não-pequenas células (CPNPC). O tratamento realizado pela molécula TECENTRIQ® (atezolizumabe), desenvolvido pela Roche Farma Brasil, líder mundial em biotecnologia, trabalha para que o próprio sistema imune ataque as células cancerígenas, com resultados que impactaram na sobrevida dos pacientes.

Uma das indicações aprovadas do medicamento é o uso em monoterapia para o tratamento de pacientes adultos com carcinoma urotelial, localmente avançado ou metastático, após quimioterapia prévia à base de platina ou considerado inelegível a cisplatina. A outra, também em monoterapia, é o uso em pacientes adultos com CPNPC localmente avançado ou metastático após quimioterapia prévia. Pacientes com mutações ativas de EGFR ou mutações tumorais ALK positivo devem ter recebido terapia-alvo como tratamento prévio, antes de utilizarem atezolizumabe.

“A molécula é uma nova opção para ajudar os pacientes com estes tipos de cânceres avançados, que não responderam a outros tratamentos. Uma das funções inovadoras da terapia é a eficiência da droga, independente da seleção por um biomarcador”, explica Lenio Alvarenga, diretor médico da Roche Farma Brasil. “Inovação é a essência do nosso trabalho e transformar conhecimento científico na descoberta de novas terapias que atendam às necessidades dos pacientes é a nossa principal contribuição para a ciência e sociedade”, reforça o diretor.

O atezolizumabe foi a primeira droga aprovada pela agência reguladora americana, a Food and Drugs Administration (FDA), como imunoterapia anti-PD-L1, em outubro de 2016. A droga impede que o tumor inative as células T, que são responsáveis por detectar e atacar efetivamente as células tumorais. Com este bloqueio, o sistema imune ganha força contra a metástase, fase avançada da doença, dando mais sobrevida aos pacientes.

O estudo OAK, de fase III, realizado globalmente com mais de 1.225 pessoas com câncer de pulmão de células não pequenas na forma metastática mostrou que o TECENTRIQ® ajudou os pacientes que passaram pelo estudo a viverem em média 13,8 meses, o que significa um aumento de 4,2 meses do que os tratados com quimioterapia (docetaxel).

Para os pesquisadores científicos, que visualizam a imunoterapia como uma tecnologia que mudará o futuro do tratamento do câncer, o atezolizumabe é a molécula que trará um grande avanço para o combate do câncer de pulmão. “A droga está atualmente em mais de 15 testes clínicos para o tratamento deste tipo de câncer, englobando sete estudos de fase III – incluindo a primeira linha de tratamento”, explica o diretor médico.

 

Sobre o câncer de pulmão de células não pequenas

Entre 80 a 85% dos cânceres de pulmão são do tipo não pequenas células, sendo que nestes o diagnóstico está dividido entre três subtipos (carcinoma de células escamosas, adenocarcinoma, carcinoma de grandes células), dependendo de onde as células cancerígenas se originaram.

O tabagismo, seja ativo ou passivo, é o principal fator de risco para o desenvolvimento do câncer de pulmão de células não pequenas. Entretanto, existem outros comportamentos que influenciam e aumentam a propensão aos tumores malignos no órgão, como por exemplo, a exposição a químicos, histórico familiar e a poluição.

Uma das preocupações dos especialistas em relação ao câncer é que os sintomas demoram para se manifestar. Quando os pacientes relatam algum dos sinais como tosse, dor no peito e rouquidão, em boa parte dos casos, as células tumorais já se disseminaram e apresentaram metástases.

 

Sobre a Roche

A Roche é uma empresa global, pioneira em produtos farmacêuticos e de diagnóstico, dedicada a desenvolver avanços da ciência que melhorem a vida das pessoas. Combinando as forças das divisões Farmacêutica e Diagnóstica, a Roche se tornou líder em medicina personalizada – estratégia que visa encontrar o tratamento certo para cada paciente, da melhor forma possível.

É considerada a maior empresa de biotecnologia do mundo, com medicamentos verdadeiramente diferenciados nas áreas de oncologia, imunologia, infectologia, oftalmologia e doenças do sistema nervoso central. É também líder mundial em diagnóstico in vitro e tecidual do câncer, além de ocupar posição de destaque no gerenciamento do diabetes. Fundada em 1896, a Roche busca constantemente meios mais eficazes para prevenir, diagnosticar e tratar doenças, contribuindo de modo sustentável para a sociedade. A empresa também visa melhorar o acesso dos pacientes às inovações médicas trabalhando em parceria com todos os públicos envolvidos. Vinte e oito medicamentos desenvolvidos pela Roche fazem parte da Lista de Medicamentos Essenciais da Organização Mundial da Saúde, entre eles, antibióticos que podem salvar vidas, antimaláricos e terapias contra o câncer. Pelo oitavo ano consecutivo, a Roche foi reconhecida como a empresa mais sustentável do grupo Indústria Farmacêutica, Biotecnologia e Ciências da Vida pelos Índices Dow Jones de Sustentabilidade (DJSI).

Com sede em Basileia, na Suíça, o Grupo Roche atua em mais de 100 países e, em 2016, empregou mais de 94.000 pessoas em todo o mundo. No mesmo ano, a Roche investiu 9,9 bilhões de francos suíços em Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) e suas vendas alcançaram 50,6 bilhões de francos suíços. A Genentech, nos Estados Unidos, é um membro integral do Grupo Roche. A Roche é acionista majoritária da Chugai Pharmaceutical, no Japão. Para mais informações, visite www.roche.com.br.


Compartilhar
Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Google Plus

Leia Também
Para emagrecer, é melhor cortar gordura ou carboidrato? Novo estudo afirma que tanto faz

Doação de órgãos cresce e bate novos recordes no Paraná

Dermatologistas ensinam como retirar o glitter do corpo no Carnaval

Carnaval também requer cuidados especiais com a pele


Por que os surfistas têm 3 vezes mais chances de ter bactérias super-resistentes no corpo

Por que os surfistas têm 3 vezes mais chances de ter bactérias super-resistentes no corpo


Energéticos têm impacto negativo em jovens, diz estudo

Energéticos têm impacto negativo em jovens, diz estudo


​​Praticar corrida de rua requer alguns cuidados para evitar lesões

​​Praticar corrida de rua requer alguns cuidados para evitar lesões


Estudo afirma que café pode diminuir risco de câncer de próstata

Estudo afirma que café pode diminuir risco de câncer de próstata